AUTOdesafio Dicionário ver.

Proposta: Escrever um texto em prosa, coerente, dentro da norma formal ou coloquial da língua com as palavras abaixo. A ordem de aparecimento delas no texto não possui importância e os verbos podem ser conjugados. A história pode ser Livre, +13, +16 ou +18, não há limitação para a quantidade de palavras, porém histórias abaixo de 1000 não serão consideradas.

Palavras obrigatórias:

Agnação: parentesco por linhagem paterna ou masculina.


Beligerância: estado de quem está em guerra; belicosidade, agressividade. Beligerante.


Cavalheiro: homem distinto, parceiro na dança; quem possui educação esmerada.

Descorar: perder a cor, desbotar; ficar pálido, sem cor. Descoramento.

Equilíbrio: posição estável de um corpo, aprumo; distribuição harmoniosa; estabilidade; autocontrole, autodomínio.

Falso: contrário à verdade ou à realidade; em que há mentira, fingimento; mentira, calúnia; que é feito à semelhança ou à imitação do verdadeiro.

 

Gerador: que ou que gera, produz ou procria; aparelho que transforma energia mecânica em elétrica.

 

Humorista: que(m) manifesta humor em seus ditos, escritos, desenhos, atos etc; que(m) é capaz de perceber e manifestar a comicidade de situações, falas etc.

 

Importar: ter como resultado, causar, implicar; trazer em si, envolver; atingir; ter utilidade, proveito ou valor, interessa; dar importância; trazer de outro país, Estado ou município.

 

Jerico: jumento; indivíduo pouco inteligente.

 

Kafkaniano: relativo ao escritor Franz Kafka; estudioso ou continuador da filosofía de Kafka.

 

Lotear: dividir em lote.

 

Mugir: soltar mugidos; emitir som semelhante a mugido.

 

Neodímio: elemento químico usado em aparelhos eletrônicos, laser, na coloração de vidros etc.

 

Opressor: que oprime; que sujeita à opressão.

 

Pintar: representar com cores; cobrir com tinta; descrever, retratar.

 

Quê: alguma coisa “um quê de felicidade”.

 

Romã: fruta com numerosas sementes.

 

Serenata: cantoria romântica feita à noite ao ar livre.

 

Tirocínio: aprendizagem, estágio “fez tirocínio em enfermagem”; prática, experiência; discernimento “ter bom tirocínio”.

 

Ultimar: fazer/chegar ao fim, completar-se, terminar-se.

 

Vênus: nome do segundo planeta do sistema solar; deusa na mitologia romana.

 

Wagneriano: relativo ao compositor Richard Wagner e sua obra; quem admira e/ou é adepto das teorias e/ou do estilo musical desse compositor.

 

Xaveco: antigo navio mourisco; barco velho, em mau estado de conservação; indivíduo ou objeto de pouca importância; comportamento trapaceiro; patifaria.

Yin: princípio fundamental presente nas manifestações passivas; frias e escuras do universo; cuja interação com força oposta e complementar yang influenciou a filosofia, a religião e a medicina chinesa.
Zéfiro: vento suave; aragem.

 

 

Sorin

Por la mañana, desayuné con mi hermana porque mis padres están viajando y ella me pareció un poco triste. Cuando pregunté si algo pasó, ella dijo “Estoy hasta las narices con Jinyoung. Él habla pelos codos de sí mismo y nunca da el brazo a torcer no importa que digo”.

Jinyoung es el novio de mi hermana. Él no me gusta, para decir la verdad. Siempre se siente el ombligo del mundo y se encoge de hombros para todos. Mi hermana más nueva, Sowon, es una persona que no tiene un pelo de tonta y no tiene pelos en la lengua, pero desde cuando empezaron a salir, yo percibí que ella anda con pies de plomo con él – y para empeorar: ¡él todo toma a pecho!

Sowon me dijo todavía que Jinyoung no fue al encuentro de ellos ayer – era el aniversario de noviazgo – porque “¡él duerme a pierna suelta!” y cuando llegó tarde, reclamó que su presente no era bueno. “¡Aquello me costó un ojo de la cara! Yo quería tanto poner el dedo en la llaga, sin embargo…”

“¿Sin embargo…?” ella no respondió y sólo suspiró. Yo entonces dice que ella debería hablar con él porque ningún relacionamiento sigue por mucho tiempo así. “¿Se recuerda de cuando tú estabas en aquella semana de pruebas y se quemó las cejas y no pegó pestaña?”

“Sí, nunca me olvidaré. Una de las peores semanas de mi vida”.

Yo hablé de como él dejó ella sola para cuidar de todos los preparativos para la fiesta de cumpleaños de su hermanita. “Él no es compañero, Sowon. Y es un absurdo él haber reclamado de su presente cuando anda con la soga en el cuello”.

“Yo sé, Seomie-ah” ella agarró el cuchillo y pasó la mantequilla en el pan. “Y… yo realmente no quería hablar sobre esto, pero Yerin-ah me llamó ayer y dijo que tenía lápiz labial en su almohada y sábana”.

Abrí los ojos por sorpresa y ella suspiró. Jung Yerin es la hermana más vieja de Jinyoung y ella ama mi hermana – de verdad. Yo adoro Yerin por el simples fato de que ella trata mi hermana mejor que nadie. Ellas siempre fueron como uña y carne desde chicas y siempre tuve la mosca detrás de la oreja con los sentimientos de la rubia. No imaginas mi decepción cuando yo supe que era con Jinyoung que ella estaba saliendo.

Nunca me olvidaré de aquel día… Yerin me procuró llorando y tuve que ayudarla. Para empeorar: Jinyoung empezó a ser horrible con Sowon. Ah, como creo a puño cerrado que Yerin sería una novia muy mejor para mi hermana y llevo la frente alta cuando digo eso.

“Yo no quería calentar mi cabeza con eso, pero la verdad es que…” ella suspiró y levantó de la mesa “Gracias por la comida, Seom-eonnie, estaba para chuparse los dedos” salió y yo agarré mi celular.

Yo (9:08 AM)

¿ Yerin-ah, es verdad eso de la sábana de Jinyoung estar con lápiz labial o estás tirando el pelo?

Yerin-dongsaeng (9:10 AM)

Bien que yo quería, pero no estoy. La historia es que esa: él se levantó con el pie izquierdo anteayer y estaba a regañadientes sobre cualquier cosa… cuando salió, yo me quedé muy curiosa porque escuché cosas extrañas por la noche y decidí entrar en su cuarto. Cuando entré, vi la ventana abierta y él cuarto estaba un lío. Yo me aproxime para cerrar las ventanas y vi las huellas.

Yo (9:11 AM)

No creo… ¿él está loco?!!! Él no da pie con bola… si Jinyoung estuviere traicionando Sowon…

Yerin-dongsaeng (9:12 AM)

Yo sé, Eonnie… el peor es que Wonnie está haciendo la vista gorda… pero creo que puedo probar todo a ella.

Yo (9:13)

¿Quieres que yo echo una mano? Soy toda oídos, Yerin-ah.

.

Yo puse mucho ojo en el plano de Yerin.

Ella dijo que quería llevar Sowon para ver con sus propios ojo que Jinyoung estaba con otra en una fiesta en el Viernes. Yo ya sabía sobre aquella fiesta porque el anfitrión era Han-seul (un amigo de la universidad que es un doce y muy perfecto).

Mi trabajo era convencer Sowon de ir. Tengo mala pata y todo que yo hice no daba cierto. Sin embargo, Umji, una amiga de ella, dijo que estaría allá y vino como anillo al dedo. Conseguimos a brazo partido y tuvimos que andar con cien ojos para que ella no desconfiase de nada.

Al final, ella bajó los brazos y aceptó.

.

Jinyoung llegó con la chica y en un rato ya estaba besando ella asquerosamente. Sowon vio a todo y tuvimos mucho trabajo para impedir ella de empinar el codo después, pero valió la pena. Sé que ella se quedó muy triste, pero fue necesario para que no se quedase en aquel relacionamiento.

Y para Yerin las cosas fueron muy mejores. Ella consoló Sowon la noche entera y estaba con una sonrisa de oreja a oreja mientras abrazaba mi hermanita.

Sowon estaba con el corazón partido, pero yo sabía que no sería por mucho tiempo. Tengo certeza de que todo se quedará muy bien de ahora en adelante.

Believer – 7

Capítulo 7

Era uma caixa de vidro e ele estava dentro dela. Estava numa das suas posições mais clássicas: sentado com os braços envolta das pernas, abraçando seus joelhos. Levantou a cabeça para ver que a caixa estava tampada por algo escuro e que fez seu coração acelerar. Nunca teve reais problemas com lugares fechados, mas estar ali dentro era desesperador.

Moveu suas mãos e tocou o vidro. A sensação era tão gelada que automaticamente retraiu os membros e tremeu como se todo o seu corpo estivesse exposto à temperaturas abaixo de zero. Seu tremor fez a caixa balançar levemente, leve demais para que caísse de onde estava, mas ainda assim caiu.

Em menos de um segundo a caixa virou com ele e afundou na água. Ele só conseguia perguntar-se de onde viera toda aquela água e o que estava fazendo ali dentro.

Não teve tempo para pensar direito, pois conforme a caixa afundava, filetes de água entravam pelas frestas. Seu coração começou a martelar em seu peito ao perceber que o nível da água estava subindo.

Debateu-se, mas não adiantou em nada. A caixa não cedia mesmo quando tentou socá-la com sua força máxima. Tentou mais algumas vezes e de repente o nível da água já estava em seu queixo. Ele começou, então, gritar. Seus clamores não duraram por muito tempo já que a água – que não era nem salgada, nem doce – cobriu-a em poucos segundos.

Logo fechou seus olhos e sentiu-se sufocar. Morreria ali? O que havia feito para merecer aquilo? Por que não conseguia fazer nada? Era fraco demais para salvar-se?

A caixa vibrou pouco antes de perder a consciência. Abriu os olhos letargicamente e apenas viu um punho atingir o vidro. Não conseguia ver quem era, estava escuro demais. Queria dizer para o outro desistir, afinal, não havia escapatória para ele. Mas a falta de oxigênio já estava atingindo o limite humano e assim que seu cérebro desistiu, o punho fez uma rachadura no vidro.

Não conseguiu saber se foi salvo ou não.

Ele abriu os olhos lentamente. Piscou algumas vezes e respirou fundo sentindo como se realmente estivesse sendo sufocado momentos antes. Não era a primeira vez que sonhava com esse cenário, mas toda vez era a mesma reação. Ele não conseguia sair, acordava sufocado e acabava por isso.

A última parte que já se apagava da mente turbulenta dele que não fazia muito sentido. Por que alguém estaria naquele sonho? Quem diabos era aquela pessoa?

Apoiou-se em seus cotovelos e levantou a parte superior de seu corpo com cuidado. Sua cabeça latejava e não sabia se era por causa da surra ou por causa de toda a situação. Claro que poderia ser as duas coisas. Deixou seu corpo ereto e sentiu as dores distribuídas no seu corpo. Teria que lidar com aquilo mais tarde, entretanto.

Saiu lentamente de sua cama e foi em direção à cozinha. Desceu as escadas e andou até o cômodo preferido de sua irmã mais nova.

Victoria gostava daquele lugar. Quando não estava dormindo, ela estava ali fazendo seus deveres ou apenas escutando música e desenhando. Ela dizia que era porque gostava dos azulejos brancos e vermelhos além da luz ser mais clara ali. Isso era verdade, a lâmpada ali era mais forte, mas James sentia que o motivo era outro.

A mãe deles passava muito tempo na cozinha. Não era uma dona de casa, mas sim uma culinarista. As comidas que preparava eram as mais cheirosas e as mais gostosas. Vê-la com o avental azul e preto, com o sorriso no rosto e o cabelo liso preso era a imagem da qual James mais sentia falta. Desejava nunca tê-la apenas como uma memória.

Encontrou a pequena sentada na cadeira de sempre e com a caixinha de som ligada numa rádio. Queria que Victoria pudesse tê-la visto também.

Camila Houston – Frankfurt sendo adicionado após o casamento – casou-se com o pai deles com apenas dezenove anos. Eles se conheceram numa festa, namoraram por um ano e ela ficou grávida de James por acidente. Foi uma gravidez conturbada, pois – disse sua avó materna – que ela foi ao hospital inúmeras vezes por “quedas”. Tinha uma personalidade doce, porém, muito quieta. Não falava para ninguém sobre seus problemas e sempre achou que pudesse lidar com tudo sozinha.

Quando James nasceu, a situação toda era muito estranha e complicada para a mente de uma criança tão pequena. Até seus seis anos de idade, ele realmente achava que os machucados que apareciam em sua mãe eram acidentais. Foi quando com nove anos, no começo da gravidez de Victoria, ele viu seu pai bater nela com um cabo de vassoura.

Aprendeu no dia seguinte o conceito de aborto espontâneo e como ela havia escapado por pouco daquilo.

Sempre fora uma criança quieta e amava sua mãe mais do que tudo. Repelia qualquer coisa vinda de seu pai desde muito pequeno e começou apanhar por volta dos dez anos quando Victoria nasceu. Ele sempre havia dado tapas e batido com chinelos, mas as surras de verdade só aconteceram quando sua mãe adoeceu após o parto de sua irmã.

Tudo foi de mal a pior a partir desse momento. James fechou os olhos com a lembrança do cheiro de chocolate quente e nozes que ela tinha. Ele daria tudo para que Victoria pudesse ter experimentado isso, ele daria tudo para que as circunstâncias fossem diferentes.

Sua família materna mais próxima – seu avô e sua avó – morreram um ano depois da morte de Camila e não havia nenhuma notícia de mais nenhum parente já que ela era filha única. Seu pai nunca mencionara os próprios pais ou outros familiares e isso fazia James desesperar-se com a falta de saídas. O que mais podia fazer para que se livrassem de toda aquela merda?

– Jay? – olhou para a pequena que o encarava com os olhos grandes e tristes. – Está tudo bem?

– Está sim – andou um pouco e sentou-se ao lado dela. – Como você está? – ela deu de ombros e ele suspirou. – Desculpa, Vick, eu queria poder fazer mais.

Ela ficou em silêncio por um curto tempo, rabiscando alguma coisa. A música que tocava estava no instrumental e o som do piano coube muito bem naquela cena. Passou a mão nos cabelos curtos dela e observou às feições infantis, porém, similares às suas.

– O tio que veio aqui… ele disse que vai nos ajudar e que era para a gente confiar nele… posso confiar nele?

– Pode – disse sem hesitar. – Ele é uma pessoa legal.

– Onde você encontrou o tio? – ela continuou a desenhar.

– Na escola nova. Ele foi o único que se aproximou de mim – fez uma pequena pausa e olhou para o desenho dela. – O que é?

– Nossa casa de verdade – ela comentou e desenhou uma árvore perto da porta.

– Mas moramos em uma casa e não em um prédio – disse ao ver o torto edifício com quatro janelas e cortinas vermelhas.

– Eu disse que era a nossa casa de verdade, Jay – ela mordeu a parte interna da bochecha. – Nossa casa quando não morarmos com o pai.

Seus olhos desviaram automaticamente do desenho para ela e ele quis ter o poder de mudar tudo com um simples estalar de dedos. Victoria e ele mereciam um pai decente e uma vida decente.

– Quer jantar o quê? – perguntou levantando-se da cadeira e abrindo um gabinete para pegar a panela. – Posso fazer macarrão ou esquentar o arroz de ontem…

– Jay, quando é que eu vou voltar para a escola?

Colocou a panela em cima do fogão e não conseguiu encará-la.

Victoria estava havia duas semanas sem ir para a escola, pois o pai dela disse que garotinhas como ela não seriam nada na vida e não fazia o menor sentido ir para a escola. James tinha certeza de que disse isso apenas porque tinha que levá-la todos os dias e não estava mais a fim de acordar cedo. Encheu uma jarra de água pensando no que poderia fazer.

– Eu não posso…? – o som do lápis não parou.

– Claro que sim, Vick, eu só preciso pensar em como te levar sem que o pai saiba – colocou a água na panela e abriu o armário ao lado da geladeira pegando o pacote de macarrão. – É seu direito ir para a escola e eu vou tentar tudo para que você vá, ok?

Ela assentiu sem tirar os olhos do desenho e ele acendeu o fogão para a água ferver. A música trocou e ele reconheceu o comecinho de Monstros da banda Supercombo. Cantarolou junto de Leonardo e colocou um fio de óleo na água. Victoria esboçou um sorriso enquanto traçava uma pessoa na porta do prédio.

– Que eu não sou mais o mesmo, que eu vivo no passado… – a voz fina dela se fez ouvir e James sorriu.

– E não me assusto com o que antes era meu tormento – ele cantou junto dela e colocou sal na água.

O refrão começou e eles aumentaram a voz. Ele colocou o macarrão e pegou outra panela para fritar o alho e óleo. No meio da música, eles comentavam uma coisa ou outra sobre a voz e o instrumental dela, e isso fazia James esquecer-se de seus problemas temporariamente. Compartilhavam do gosto pela música e era apenas uma das coisas que os deixavam ainda mais próximos.

– O tio gosta dessa música Jay? – ela comentou e ele parou para pensar. – Ele tem cara de gostar de música boa.

– Tem mesmo – riu com o comentário da irmã. – Você vai querer tomar com suco? – virou-se para olhá-la e ela negou.

– Também queria ser imaginário, sumir quando estiver dando tudo errado, sem pesar na consciência… – ela cantarolou enquanto o som da fritura enchia a cozinha e o macarrão era preparado. – Sem pesar na consciência.

– Vick, põe a mesa? – pediu e ela se levantou.

Duas músicas depois, o macarrão estava pronto. James abriu o pacote de molho de tomate e colocou na panela do macarrão, misturando-os. Levou mais cinco minutos para colocar o macarrão numa tigela, arrumá-lo na mesa, por as panelas na pia e enchê-las de água.

Ele se sentou na ponta enquanto ela se sentou onde estava antes, na cadeira ao seu lado direito. Serviu-a e depois serviu-se, colocando uma generosa quantidade de macarrão para ambos.

Outra música começou e eles comeram em silêncio e tranquilamente. As refeições eram, geralmente, o momento mais calmo do dia deles. Quando não passava no restaurante a quilo perto da casa para pegar comida, James geralmente preparava algo rápido para os dois. Em noventa por cento das vezes, comiam sozinhos e isso era maravilhoso. O pai deles nunca teve um horário fixo, mas não costumava curtir um jantar em família.

– Na nova escola as pessoas são legais, Jay? – ela disse entre garfadas. – Ou só o tio é legal?

– Só o tio é legal – disse. – Sinto que posso confiar totalmente nele.

– Você gosta dele? – ela perguntou e James engasgou com o macarrão. – Oi…?

– Mas que pergunta – tossiu e decidiu botar a culpa da queimação de suas bochechas no repentino engasgo. – Ele é meu amigo apenas, Vick.

– Ué… você achou que eu estava falando de gostar de que jeito? – ela franziu as sobrancelhas e James achou que morreria de vergonha.

Resolveu apenas balançar a cabeça e dar um sorriso amarelo em resposta. Continuaram a comer e passaram-se mais duas músicas. Victoria e James terminaram quase ao mesmo tempo e enquanto James guardava o resto do macarrão num pote de plástico, Vick colocou os pratos na pia. Ele olhou para o relógio na parede e viu que marcava-se nove horas.

– Vick, já está tarde. Vai tomar banho para dormir.

– Mas – ela hesitou um pouco. – Mas eu já tomei banho…

Ele olhou incrédulo para ela e repetiu para que fosse tomar banho. A pequena fez um muxoxo e saiu pisando duro em direção às escadas, James balançou a cabeça com um leve sorriso. Começou a lavar a louça e escutou o barulho do chuveiro minutos depois.

Uma música que não conhecia começou a tocar após alguns comerciais e ele se pegou parado apenas analisando a letra. Reconheceu após um tempo, a voz de Esteban Tavares e surpreendeu-se por vê-lo na rádio. Artistas brasileiros geralmente não recebem o reconhecimento que merecem e escutar um talentoso tocar numa mídia agradava-o.

“Só quero que isso chegue ao fim, até o fim do mês. Vou aprender a me fazer de louco para não perder a minha lucidez”.

A frase o fez sorrir e acompanhar o ritmo terminando de lavar as panelas e deixando-as no escorredor. Secou as mãos e abriu a geladeira para pegar uma garrafa de água. Com a garrafa em mãos, desligou a caixinha de música pegando tanto ela como o caderno de desenho de Vick. Desligou a luz da cozinha ao sair do cômodo e subiu as escadas.

Abriu a porta de seu quarto e deixou a garrafa em cima da escrivaninha. Olhou para as partituras organizadas e pensou em Keith.

Os quatro meses que passaram juntos não foram no mais completo silêncio, mas realmente nunca haviam conversado sobre gostos e opiniões – o que incomodava James grandemente. Desde quando se aproximaram, ele quis iniciar uma conversa diferente do papo de escola e planos para cabular a educação física, mas a memória do evento em sua antiga escola o fez hesitar e guardar para si seu desejo.

Ao mesmo tempo em que estava envergonhado, com medo e raiva do que acontecera horas antes, James sentia-se bem, já que Keith não o abandonou.

– Jay? – Victoria chamou. – Canta para mim?

Ele olhou para ela vestida com uma regata rosa e uma calça moletom preta, e viu os hematomas tomando outras cores. Lembrou-se de seus próprios machucados e respirou fundo. Victoria chamou-o novamente e ele assentiu. Foram em direção ao pequeno quarto dela.

Havia, no quarto, que era a porta ao lado esquerdo da sua, um guarda-roupa branco de duas portas com adesivos aleatórios, uma caixa de brinquedos – em sua maioria, quebrados – azul ao pé da cama, e uma cama com colchas brancas levemente encardidas. Na parede da cabeceira da cama, estava uma janela com cortinas brancas similares ao do seu quarto. Ao observar o que quarto, lembrou-se que tinha que trocar a roupa de cama.

Victoria deitou na cama e James ajudou-a se cobrir. Perfeitamente acomodada, ela sorriu para irmão mais velho e este começou a cantarolar Bela Flor, música que ela tanto adorava.

Não demorou muito para que adormecesse e, depositando um beijo em sua testa, deixou-a dormir. Saiu do quarto apagando a luz e deixou uma fresta da porta aberta para a luz entrar. Andou até seu quarto e não fechou sua porta totalmente.

Havia adquirido o hábito inconsciente de nunca trancar ou fechar a porta. Uma das razões era que, as vezes, Victoria acordava de um pesadelo e se a porta estivesse fechada, ela não entrava. Por mais que não se sentisse seguro, ele tomou isso por hábito e nunca ao menos reparou que fazia isso.

Estava começando a arrumar sua mochila para o dia seguinte quando seu celular tocou. Deixou escapar um som surpreso e olhou assustado para o celular. Quem poderia estar ligando? Será que algo havia acontecido com seu pai?

Tomou-o em mãos e viu a tela do Skype indicando o nome SirKeithRural.  Um sorriso pequeno surgiu no seu rosto e respirou fundo antes de atender a chamada de voz. Fez-se alguns segundos de silêncio até que chamou seu nome.

 

Believer – 6

Capítulo 6

Os dois continuaram calados até Keith terminar o último curativo. Queria muito colocar para fora todas as perguntas que tinha, mas a fragilidade de James naquela situação impediu-o de fazer qualquer questionamento. Pegou o que havia usado, levantou-se do chão e foi até o banheiro jogar os algodões fora e guardar o antisséptico onde o achara. Voltou para o quarto encontrando James sentado na cama, com as costas na parede e as pernas cruzadas. Sentou-se na beira da cama em silêncio.

– Quando aprendeu a fazer curativos assim? – ele perguntou e, mesmo que não fosse o que Keith esperava, já estava de bom tamanho.

– Já apanhei e já bati muito – virou seu corpo o suficiente para seus olhos encontrarem os de James. – Sou um pequeno especialista nisso.

– Isso me surpreende – disse com sinceridade e um tom de voz baixo. – Achei que fosse o tipo que fugia de brigas. Não gosta de educação física, anda sozinho… se bem que hoje você não fugiu de nada, muito pelo o contrário…

– Por que está fingindo que nada aconteceu, Jay? – interrompeu a fala do menor. Por mais que quisesse respeitar a privacidade dele, a escolha dele de não falar nada, Keith não podia simplesmente ignorar o que acabara de acontecer. Não era algo para simplesmente “deixar passar”. – Há quanto tempo isso acontece?

James voltou seus olhos para  a colcha e abraçou seus joelhos. Parecia de porcelana, tão delicado, frágil e vulnerável.

– Eu não sei – finalmente falou. – Desde que ficamos sozinhos com ele, acho.

– Isso está errado, Jay – começou. – Você tem que falar para a polícia. Como pode continuar com um cara desses? Ele te espancou e espancou sua irmã com a porra de um sorriso no rosto…

– Eu sei de tudo isso! – sua voz aumentou e encolheu-se ainda mais. – O problema, Keith… é que meu pai é o chefe da delegacia local – apoiou o queixo em cima de seus joelhos ainda não o olhando nos olhos. – Minha mãe está morta e não há absolutamente nenhum lugar para nós dois ficarmos se por algum milagre meu pai fosse preso – a instabilidade de seu tom revelou que estava prestes a chorar. –  Eu odeio isso e odeio ainda mais que minha irmã está sofrendo essa merda, mas enquanto não tivermos um lugar seguro para ficar, não podemos fazer nada… – houve uma pausa que se quebrou quando um pequeno sorriso irônico surgiu no seu rosto. – Até porque da vez que cheguei na frente de dez policiais todo arrebentado dizendo que meu pai havia me espancado, todos disseram que eu estava mentindo e que o “íntegro e justo delegado” já havia avisado quão briguento e mentiroso eu era…

Ele não conseguia abrir a boca para responder tudo aquilo. A realidade e o entendimento o atingiram com força e não estava preparado para isso. Observou James suspirar e subiu uma perna na cama, aproximando de ele. O menor lentamente esticou as pernas e cobriu o rosto com as mãos.

–  Eu não queria que tivesse visto isso, Keith. Não era para você ter visto nada disso… se quiser ir embora agora, não tem problema. Não precisa…

Keith tomou as mãos de James descobrindo o rosto dele, interrompendo-o. Os olhos do menor estavam carregados de lágrimas e teve que conter a ânsia de abraçá-lo.

– Jay, calma – fez uma pequena pausa antes de continuar. – Eu já entendi – franziu o cenho. – Eu não imaginei que a situação estivesse nesse estado e desculpa por ter falado daquele jeito – as mãos de James quase sumiam dentro das suas. – Eu também não vou embora. Não vou te deixar porque vi uma merda dessas acontecendo. Eu quero te ajudar e vou fazer isso. Nem você, nem sua irmã e nem ninguém merece ficar nessa situação, entendeu?

Foram cinco segundos ou cinco minutos que ficaram em silêncio, apenas fitando um ao outro, com os olhos marejados e os lábios tremendo. Nunca sequer passara pela sua mente que um dia ficaria numa situação como esta e de repente todas as suas preocupações sumiram. Não existia mais Henry, não existia mais problemas familiares, apenas a segurança de Jay e de sua irmãzinha ocupavam sua mente.

Nenhum dos dois ousou quebrar a quietude e intensidade do momento com palavras. Keith deixou suas mãos escorregarem pelos braços de James até que suas mãos encostaram na cama. Apesar de não saber o que fazer, teve a impressão de que não precisava dizer nada naquele momento. James soltou a respiração que estava segurando e fechou os olhos.

– Minha cabeça dói – disse.

– Deita… os remédios vão demorar um pouco para fazer efeito. É melhor descansar agora – levantou-se da cama enquanto falava.

– Você vai embora? – sua entonação indicava receio e Keith sorriu levemente.

– Tenho que ir embora antes do seu pai chegar, não é? – ele deitou e puxou a colcha para se cobrir sem olhar nos olhos de Keith. – Mas posso esperar você dormir se quiser.

A oferta pareceu-lhe ousada demais depois que terminou de falar e já estava pronto para dizer que era brincadeira e que iria embora logo, mas a voz de James se fez ouvir.

– Eu durmo rápido… se quiser esperar…

Isso o surpreendeu, mas não falou nada. Sentou-se no chão, com as costas na parede na qual a cabeceira da cama estava encostada. James ficou com o rosto virado para ele e fechou os olhos. Keith observou sua respiração e seus traços logo relaxarem. Tinha uma expressão inquieta mesmo enquanto dormia e isso o incomodou.

Esperou alguns minutos apenas olhando o corpo pequeno dele mover-se levemente devido a sua respiração até que decidiu que já estava na hora de ir. Levantou-se, pegou sua mochila e desligou a luz, saiu do quarto deixando uma fresta aberta para que não ficasse totalmente escuro lá dentro e desceu as escadas um pouco atônito.

Escutou alguns barulhos vindos da cozinha e dirigiu-se até o cômodo para encontrar Victoria lavando os copos na pia. Não pensou duas vezes em aproximar-se, colocar a mochila no chão e tirar a louça das pequenas mãos dela.

– Eu termino aqui – deu um pequeno sorriso para ela e recebeu de volta um joinha que lhe fez sorrir mais. – Você está bem? – perguntou enquanto ela sentava-se na cadeira mais próxima dele. – Quer ajuda com seus machucados?

– Não precisa – respondeu. – Eu já passei pomada e tomei remédio… o Jay está bem?

– Ele dormiu – colocou os copos no escorredor e esticou o braço para pegar o pano de prato. – Você deveria descansar também, Vick.

– Eu estou bem – ela falou e escutou uma pitada de dor conforme ela se mexeu na cadeira. – Quando Jay ficar adulto, a gente vai sair daqui para sempre e nunca mais vai ter que apanhar. Não se preocupa, tio.

Secou os copos em silêncio e Victoria apontou para o armário onde eles ficavam. Arrumou-os lá dentro e não pode deixar de notar o pó que tinha nos copos mais afastados. Keith sentiu-se péssimo e seu celular vibrou. Não precisa ver quem era para saber que seu pai estava ligando. Provavelmente para avisar que chegaria mais tarde.

A verdade era que não queria deixá-los ali, não queria deixar a pequena naquela cozinha fria e James adormecido no andar de cima. Entretanto, tinha plena consciência de que se ficasse ali, as coisas iriam de mal a pior.

– Pode ir, tio. A gente vai ficar bem – ela falou.

Keith sorriu para a garota e assentiu. Colocou a mochila nas costas e Victoria saiu da cadeira. Os dois foram até a porta e quando virou-se para dizer tchau, a menina falou.

– Você é muito legal, tio. Não esquece a gente, tá?

Aquelas palavras e o jeito que ela lhe olhou, suplicante e com um pequeno sorriso, quebrou seu coração pela milésima vez naquele dia. Ele se agachou e tirou da mochila sua agenda e seu estojo. Victoria observou atentamente o mais velho escrever rapidamente algo e rasgar o papel.

– Aqui – estendeu o papelzinho para ela. – Esse é o meu número. Se algo ruim acontecer e você não puder chamar a polícia, você me liga. Anota em outro lugar para caso você perder este papel, ok? – ela pegou o papel animadamente e o sorriso dele se abriu. – Eu não vou esquecer você e nem seu irmão, Vick. Nunca.

Os olhinhos dela marejaram e ele colocou levemente uma mão sobre o ombro esquerdo dela.

– Cuida do seu irmão direitinho. Eu prometo que vou tentar fazer o meu máximo para tirar vocês dois daqui. Confia no tio.

– Eu confio – ela disse sem hesitar.

Keith sentiu-se bem e mal ao mesmo tempo. Mesmo que quisesse tirá-los de lá naquele instante, mesmo que quisesse esperar o pai deles para arrebentar a cara dele, mesmo que não quisesse ir embora, ele tinha que ir antes que piorasse tudo.

Como ele odiava aquele sentimento de impotência.

– Entra que eu já vou embora.

Vick fechou o portão, acenou para ele e entrou trancando a porta. Fitou a porta por mais alguns segundos antes de começar a andar lentamente pelas ruas. Eram por volta das quatro horas e o sol ainda está no céu quando chegou até o ponto de ônibus. Resolveu voltar logo para casa e assim que entrou no veículo, não conseguiu deixar de pensar em tudo que acontecera nas poucas horas que passaram.

A situação era a pior possível. Se o pai dos dois realmente tivesse controle da polícia local não conseguiriam resolver nada apenas denunciando, precisariam de provas concretas e boas o suficiente já que o homem tinha feito a cabeça dos policiais sobre o próprio filho. Embrulhava-lhe o estômago pensar que pessoas assim existiam.

Encostou a cabeça ao ferro do ônibus e fechou os olhos rapidamente. O que faria agora? Como poderia ajudá-los? Nenhuma ação impulsiva poderia ser bem-vinda, tinha que pensar muito bem. Será que falar com alguém da escola ajudaria ou chamariam o pai deles e as coisas piorariam? Não fazia do quão influente e quanto poder o pai deles tinha sobre as autoridades da cidade e isso deixa as coisas ainda mais complicadas.

Seu celular vibrou e ele se lembrou de que tinha ignorado a chamada anterior. Tomou-o em mãos e como o esperado era o seu pai. Atendeu rapidamente e desculpou-se por não ter visto a chamada perdida. Seu pai falou com o mesmo tom de voz cansado que voltaria tarde e Keith apenas respondeu que não havia problema.

Logo estava em sua parada e desceu do ônibus entrando no prédio com movimentos automáticos. Resolveu mandar uma mensagem para James e abriu o Skype vendo que ele estava online. Estranhou e pensou que havia acordado rápido demais.

Perguntou se ele estava bem e não obteve resposta. Seu coração acelerou e tentou acalmar-se dizendo que era capaz dele ter esquecido o Skype aberto ou algo assim. James estaria bem.

Entrou no elevador apertando o quinto andar. A face de James invadiu sua mente enquanto saía e andava pelo corredor. Abriu a porta largando a mochila depois de alguns passos e imaginou se ele teria pesadelos. Passou a mão pelos cabelos e resolveu descer para a academia. Talvez ele conseguisse liberar um pouco da frustração e daquele sentimento odioso de impotência.

Antes de sair, pegou sua garrafa de água e seu celular. Aproveitou que o elevador ainda estava no andar e desceu rapidamente. Chegando ao térreo, dirigiu-se para a academia simples do prédio e abriu a porta somente para ter uma péssima surpresa.

Henry estava ali, correndo na esteira e não havia mais como fingir que não o vira e fechar a porta, pois seus olhos se encontraram logo que entrou. Sua boca ficou seca e ele quis sair dali. O outro parou a esteira e o olhou com aqueles olhos indecifráveis e que um dia tiraram o seu ar.

– Keith… – lembrou-se do episódio que aconteceu após o intervalo e sua expressão fechou. – Está tudo bem? Você parece um pouco alterado…

Henry percebeu que ele ainda vestia as roupas da escola e franziu o cenho. Estava na academia aquele horário porque sabia que Keith somente a usava a noite e nunca logo após voltar da escola. A sua postura, sua expressão, tudo revelava cansaço, dúvida e raiva e, por mais que soubesse quão detestável era a sua presença para ele, tinha a impressão de que algo muito ruim acontecera.

– Não é da sua conta – respondeu irritado e sabia que estava sendo irracional, mas não se importava com isso. – Quer saber? Eu vou embora.

Antes que pudesse falar qualquer coisa para impedi-lo de sair, Keith fechou a porta com força deixando-o sozinho ali.

– Merda… – resmungou para si.

Quando tudo aquilo acabaria?

Believer – 5

Capítulo 5

Victoria entrou no quarto com os olhos arregalados. Parecia estar falando algo para James e havia medo, muito medo, no que estava dizendo. Keith olhou para as mãos dele e viu os dedos trêmulos colocar o violão de lado com cuidado.

Keith abriu a boca para perguntar o que estava acontecendo, mas a irmã de James colocou o pequeno indicador sobre a boca num sinal para que continuasse em silêncio. Ela fechou a porta atrás de si e James olhou para a cama dele.

– Você tem que se esconder – estava sussurrando e sua voz estava quebradiça. Ia perguntar o porquê, mas olhar de James era tão desesperado que ele não conseguiu falar nada. – Por favor.

Quando entendeu o que ele queria, rapidamente deitou no chão e se arrastou para debaixo da cama. James sussurrou para que não saísse dali e se desculpou. Victoria parecia segurar o choro e a porta do quarto abriu.

Segundos de silêncio seguiram-se e Keith engoliu em seco não entendendo absolutamente nada do que estava acontecendo. Por que os dois pareciam tão desesperados? Quem estava chegando? Será que o pai deles? Mas isso não fazia sentido, por que ele estaria com tanto medo do próprio pai?

– Eu vi três copos na cozinha – era uma voz rouca e grave. – Achei que eu fui bem claro sobre visitas nessa casa.

– Papai – Keith conseguiu escutar o medo na voz da pequena. – Não veio ninguém aqui.

A pausa que se seguiu foi brutalmente cortada pelo som grave de algo batendo no chão. Victoria começou a chorar e Keith queria ver o que estava acontecendo, mas suas mãos tremiam tanto quanto a voz dela.

Tudo o que conseguia enxergar eram as meias brancas de James a poucos centímetros de seu rosto. Viu-o dar um passo para frente e escutou o início de uma frase. Frase esta que não pôde ser completada.

– Cala a boca! – os sons que ela fazia eram de tamanha dor que Keith teve vontade de tapar os próprios ouvidos. – Não minta para mim, sua putinha.

O barulho que o corpo dela fez quando foi jogado ao chão era simplesmente aterrorizador. A cabeça dela estava grudada no chão e ela chorava copiosamente. Seus olhos encontraram com os de Keith e ela balançou a cabeça minimamente como se dissesse para que ele continuasse ali.

Não podia continuar ali, ele tinha que fazer algo.

Mas assim que iria sair, algo foi jogado e acertou bem na cabeça dela. O que era aquilo?! Mas que merda ele tinha jogado nela?

Victoria se encolheu abraçando os joelhos ossudos com os braços magros dela. Seus ombros tremiam com força e seu choro era baixo, como se apesar de tudo ela ainda tentasse se controlar para não gritar.

– Não! – James gritou e deu dois passos se colocando na frente do corpo caído da irmã. – Pai, não-

Sua voz foi interrompida e Keith viu o corpo dele cambalear.

– Isso é tudo culpa sua, seu viadinho – o pai dele estava… rindo? – Se você não fosse um merda tão grande sua irmãzinha não seria essa mentirosa suja. – Pés com sapatos sociais entraram em seu campo de visão e Keith observou horrorizado quando ele pisou com o calcanhar nos dedos de James.

Victoria soltou seus joelhos e olhou para cima com os olhos mel completamente vermelhos.

– Papai, não machuca ele, por favor – ela tentou se mover em direção a ele, mas o homem foi mais rápido.

– Eu já disse para ficar quieta! – ele a chutou uma, duas vezes. – Além de mentirosa, acha que tem algum direito de falar algo?!

Dessa vez ela gritou. Era horrível. O choro dela se intensificou e ela cobriu a barriga com os braços tentando diminuir a dor. James gritou algo, mas seu pai o pegou pelo braço e o arrastou até o fundo do quarto, o tacando com força contra a parede.

O corpo frágil de James parecia que iria quebrar a cada movimento que ele fazia.

O coração de Keith parecia que havia parado naquele momento. Quando James foi pego pelo cabelo e jogado com a cara no chão. Quando o pai dele se sentou nas costas dele revelando as calças pretas e puxou o cabelo dele somente para bater a cabeça dele no chão.

– Se você não me desobedecesse… – a voz dele parecia conter diversão. – Nada disso aconteceria – a força com que ele agarrava o cabelo dele e batia a cabeça dele no chão finalmente arrancou lágrimas de seus olhos.

Ele parou de repente e pareceu respirar fundo.

– Você… você está chorando? – a pergunta saiu mais como uma afirmação do que qualquer outra coisa.

James balançou a cabeça tentando negar, ele estava mordendo seu lábio inferior com tanta força que Keith achou que ele fosse rasgar. Ele virou seu rosto para o chão, fechou os olhos com força, mas seu pai levantou-se e agarrou seu braço o virando para cima.

– Você está chorando?! – James abriu a boca para negar, mas um soco foi desferido no meio do seu rosto. – Para de chorar! Vira um homem!

Foram incontáveis os socos e a cada um deles Victoria chorava mais, gritava para que ele parasse, para que deixasse James em paz, para que não o machucasse. Entretanto, nenhum dos apelos dela chegaram até ele e o punho fechado só parou quando o nariz de James começou a sangrar.

Keith queria vomitar quando escutou o riso sarcástico dele.

– Eu não quero visitas nessa casa. Não quero saber de desobediência – parecia ter um sorriso na cara. – Espero que isso não se repita, porque se isso acontecer de novo… pode ter certeza de que vão ter muito mais do que apenas uns socos.

Ele ainda estava segurando o braço de James e largou-o ruidosamente, quando seu celular começou a tocar.

Por segundos inteiros, Keith ficou olhando atordoado para James tremer no chão tentando segurar o choro. Ele tentou mover-se, mas os olhos do menor diziam para ele ficar onde estava, senão seria muito pior.

Mordeu seu próprio lábio inferior lutando internamente contra sua impotência diante daquela situação. Fechou os olhos com força para abri-los e ver a mão de James se arrastando em sua direção.

– Vou ter que voltar – um tom cansado se fez escutar. – Espero que se comportem enquanto eu estiver fora. E, sabe de algo? Acho que vou continuar dando dessas. Aparecer de surpresa para pegar meus filhinhos me desobedecendo.

Ele passou por cima do corpo de James e de propósito pisou na mão dele no seu caminho. James retraiu sua mão rapidamente, colocando-a junto ao corpo. Aquilo tinha doído. Para falar a verdade, o que não tinha?

De repente veio-lhe à mente todas vezes que mesmo em dias de calor, James estava sempre com blusas de frio. Como na Ed. Física nunca havia se trocado na frente deles, nem mesmo tirado a camiseta.

Keith quis poder trocar de lugar com James. Como podia ter sido tão estúpido ao ponto de não ver que algo estava errado?

A porta bateu com força e os três continuaram no chão até que escutaram o barulho do portão. Assim que achou que ele havia saído da casa, Keith arrastou-se para fora da cama e se sentou no chão ao lado da cabeça de James. Passou a mão no rosto sem saber o que fazer, sem acreditar no que havia acabado de acontecer.

Estava pronto para dizer algo, qualquer coisa, quando James se encolheu e Keith não pode deixar de notar o quanto ele e a irmã estavam parecidos naquele momento.

– Desculpa – Ele murmurou e Keith quis gritar, mandá-lo parar com aquilo, dizer que tinham que ir na polícia naquele instante, fazer algo, qualquer coisa. – Não queria… – o nó na sua garganta  soltou-se e ele começou a chorar mais do que antes.

Victoria levantou-se com dificuldade e foi na direção do irmão colocando as pequenas mãos em cima dos ombros estreitos dele. O rosto dela estava molhado e seus olhos vermelhos, mas ela já não estava mais chorando.

– Jay – ela chamou-o com a voz fraca. – Eu não alcanço o armário.

Ele fez menção de se levantar, mas Keith foi mais rápido.

– Me mostra o armário, Vick, eu pego – sua voz estava estranhamente firme. Não havia sinal de gagueira e se tivesse tempo mais tarde, ele iria se surpreender com aquilo, mas agora tudo o que pensava era em como cuidar daqueles dois.

A menina guiou-o até o banheiro e disse-lhe o que era para pegar. Ela dizia os nomes dos produtos com precisão e Keith só conseguia pensar em quão horrível era aquilo. Uma garotinha não deveria saber daquelas coisas, ela deveria estar brincando, saber os nomes dos personagens que gosta, dos desenhos que assiste e não de remédios.

Voltou para o quarto com ela e James estava sentado no chão com as costas encostadas à cama. Suas pernas estavam esticadas, seus braços pendiam ao lado de seu corpo e seus olhos estavam perdidos olhando para o nada.

Ela colocou-se ao lado direito dele enquanto Keith ajoelhou-se ao seu lado esquerdo, ficando de costas para a porta.

Seus dedos pegaram o algodão, o molhando com antisséptico e James se encolheu quando sua mão se aproximou dele. Victoria estava quase pedindo para que a deixasse fazer isso, quando Keith quebrou o silêncio.

– Eu vou tomar cuidado, ok? Me deixa cuidar de você – os olhos de James se voltaram para ele e seus ombros relaxaram ao som da voz calma de Keith. – Acredite em mim, eu sei cuidar desse tipo de machucado.

Uma sombra de sorriso passou pelo rosto dela e Victoria estava pronta para sair do quarto quando Keith tocou seu braço.

– Deixa eu ver seus machucados, Vick? – era um pedido e Keith ficou com medo de ela recusar, mas lentamente a garota levantou um pouco a blusa revelando a vermelhidão que os pontapés deixaram.

– Isso vai ficar roxo – ela disse com um suspiro e uma pontada de dor. Então ela já havia levado aquilo antes, a testa de Keith franziu. – Tudo bem, tio, eu alcanço os analgésicos.

Não deveria, ele queria dizer, não deveria precisar deles. Mas a deixou sair do quarto e olhou para James.

O olhar dele dizia tanto. De todos os olhares que havia lido dele este sem sombra de dúvida era o que lhe dizia mais e com mais intensidade do que nunca. Ele estava se desculpando, ele estava com vergonha, ele queria morrer naquele momento. E Keith queria fazer qualquer coisa que parasse aquilo tudo.

Estava confuso também. Poucos dias antes acreditava que sua relação com James nunca evoluiria muito, poucos dias antes não imaginava que falaria de novo com Henry, poucos dias antes negaria com todas as suas forças que havia algo de errado acontecendo na casa de James e poucos dias antes ele nunca pensaria que James seria quem daria o primeiro passo e convidaria-o para ir a sua casa.

Sua mão colocou uma mecha do cabelo castanho atrás de sua orelha e ele passou o algodão com cuidado no pequeno corte em sua testa. Não se lembrava de ter visto aquilo acontecer e como se lesse seus pensamentos, James explicou aquilo.

– É recente, acho que quando ele me jogou no chão o corte abriu de novo – seus olhos agora estavam presos ao chão e provavelmente não sairiam dali tão cedo.

Keith assentiu levemente e continuou limpando o corte.

Nenhum dos dois disse mais nada. Quando Keith pegou o queixo dele e virou seu rosto para poder limpar o sangue do nariz dele e seus olhos se encontraram.

Não havia nada mais desconfortável e ao mesmo tempo certo do que encarar os olhos dele. Estava prendendo a respiração sem nem perceber e quando notou que James estava ligeiramente inclinando seu rosto, Keith rapidamente colocou sua mão entre eles.

O algodão encostou no espaço entre a boca dele e seu nariz com delicadeza e James franziu sua testa.

Não podia fazer isso. Não podia mesmo.

Queria apenas um amigo e nada mais do que isso. Não poderia ser mais do que isso. Keith quase murmurou uma “desculpa”, mas sabia naquele momento que isso somente deixaria as coisas ainda mais desconfortáveis. Era melhor simplesmente fingir que nenhum dos dois estava esperando por aquele contato.

Sim, era melhor assim.

Believer – 4

Capítulo 4

Os dois andaram em silêncio pelas ruas quando a aula acabou.

Havia buracos na calçada e outras coisas que você vê em cidades. Andaram desviando deles e por algumas vezes esbarraram um no outro. Vinte minutos passaram-se e pararam em frente a uma casa com portão marrom. Era simples, dois andares e entrava no padrão das casas da vizinhança. James abriu o portão e Keith pode ver um Toyota estacionado. Não prestou muita atenção no carro, mas notou a bicicleta rosa encostada na parede.

– Vick? – James gritou. – Cheguei.

Ele abriu a porta de madeira e conseguia-se escutar passos correndo. Uma garotinha o abraçou assim que ele pisou dentro da casa. Keith se sentiu como um intruso naquela cena e manteve-se atrás de James até que ela se separou dele.

– Oi – ela sorriu mostrando a falta de dois dentes da frente. – Sou Victoria.

– Olá – Keith sorriu de volta.

– É um amigo meu, não fala para o pai, ok? – Victoria assentiu sem hesitar. – A gente vai ficar no quarto, mas antes eu vou fazer algo para você comer.

Ela bateu palmas e dava para notar a semelhança entre os dois. O cabelo castanho liso, o formato do nariz e a delicadeza dos traços da boca. A garotinha seguiu os dois até a cozinha e Keith encostou-se desconfortavelmente ao batente da porta olhando James pegar uma jarra de suco da geladeira e Victoria pegar pão de forma do armário.

– Você não precisa ficar aí parado – James estava de costas para ele, mas parecia ter um ar de riso em sua voz. – Quer beber alguma coisa?

– Pode ser. Um pouco de suco – Keith coçou a nuca e a garotinha soltou uma gargalhada alta enquanto James colocava um terceiro copo na mesa.

– Você é engraçado,tio – ele sorriu para ela e James simplesmente passou manteiga no pão para ela. – Qual é o seu nome?

– Keith – ela olhou para ele atentamente e tentou pronunciar o nome dele, mas falhou em todas as tentativas.

– Vou te chamar de tio, mesmo.

James sorriu com a expressão surpresa de Keith e colocou o copo de suco na frente dela, pegou um copo para si mesmo e bebericou enquanto passava a mão nos cabelos curtos dela, bagunçando-os um pouco. Keith sorriu e bebeu seu próprio suco de uma vez colocando o copo em cima da mesa. James fez o mesmo com seu copo, deixando metade de seu suco.

– A gente vai estar lá em cima. Qualquer coisa é só bater lá, tá bom?

Ela assentiu com a cabeça enquanto ocupava-se em morder o pão. Os dois voltaram para a sala e Keith manteve-se quieto até entrarem no quarto dele.

– Nossa – foi a única coisa que se passou na mente dele quando viu o quarto de James.

Havia uma parede inteira pintada de preto onde a cama de solteiro estava encostada e tinha tanta coisa em cima da cama que mal dava para ver a colcha cinza e preta. O quarto em si era um pouco estreito. Ao pé da cama, havia um armário de duas portas de madeira encostado à parede, na cabeceira tinha uma janela com cortinas brancas. Na parede oposta à cama, tinha uma escrivaninha encostada à parede e um violão preto estava encostado a ela.

O que realmente surpreendeu foi as centenas de partituras espelhadas no chão. Sem exagero algum, havia no mínimo cinquenta na cama, mais vinte na escrivaninha e o chão estava coberto por elas.

– Ah, eu esqueci delas – James tinha um tom envergonhado e ele rapidamente começou a pegar as partituras do chão. – Desculpe, hum, senta em qualquer lugar…

Keith quase riu do jeito que James estava as recolhendo, quase desesperadamente. Ele pegou algumas partituras da cama e foi juntando até formar um bloco. Olhou-as, porém, com seu conhecimento sobre música chegando a quase zero, ele não conseguiu entender nada.

Entregou o bloco para James e ele juntou com o bloco que fez recolhendo as partituras do chão. Ele tirou os tênis e os colocou na porta perguntando se Keith queria ficar descalço também. Ele negou com a cabeça e James olhou para o baixo.

– Você, então… – ele não tirava os olhos do chão. – Você pode me ajudar a colocá-las em ordem? Estão, hum, enumeradas.

– Claro.

Sentou-se no chão com James e de repente estavam os dois separando e fazendo grupos de partituras. Ficaram ali por mais ou menos dez minutos até que ele suspirou pesadamente e atraiu a atenção de Keith.

– Desculpa. Eu não tinha planejado para que você viesse me ajudar nisso…

– Você tinha planejado algo?

James levantou os olhos para ele e Keith quis se matar por sorrir com a expressão dele. Era um misto de desespero com vergonha e isso o fazia com que ele ficasse incrivelmente…

– Não, eu quero dizer… – Ele se embaralhou um pouco e desistiu de terminar o que tinha começado. – Eu quero te mostrar algo. Não ria, se você rir eu nunca mais olho na sua cara.

Keith levantou as duas mãos em sinal de rendição e James respirou fundo. Ele pegou o violão, cruzou suas pernas, apoiou-o e deixou o braço virado para o lado direito. Parou um momento, com os dedos da mão esquerda prontos para dedilhar, como se estivesse hesitando.

– Cara, eu não vou rir de você.

James voltou seus olhos para ele e eles se encontraram.

Era como um oceano. Havia um brilho de mistério que o instigava a mergulhar mesmo que tivesse prometido a si mesmo que não podia. Deveria manter a distância, mas ao mesmo tempo queria se aproximar mais e mais. Queria se aproximar, mesmo que para isso tivesse que se afogar.

Mas o que estou pensando?

Evitou franzir a testa enquanto James preparava os dedos nos acordes e os outros nas cordas. No que estava pensando agora pouco? Isso não fazia o menor sentido.

– Ok.

A voz dele interrompeu seus pensamentos e uma pausa se seguiu. Quando ia dizer mais alguma coisa para o encorajar, os dedos de James começaram a trabalhar no violão.

Era um som leve, tinha uma pitada de tristeza, parecia ter sido composto com água de chuva: melancólico e ritmado. Os dedos dele se moviam com destreza, as cordas eram tocadas com leveza e não se era escutado nenhum tremor no som. Era firme e limpo. Era muito, muito bonito.

Ele parou de dedilhar, e com seu pouco conhecimento, Keith reconheceu seus dedos formando um F e depois um C, enquanto a mão esquerda dele usava o dedão como palheta.

De repente, não era mais melancólico, de repente já não era mais calmo. A música tornou-se em algo forte e era incrível como os acordes seguintes se conectavam com os anteriores.

Só percebeu que sua boca estava entreaberta quando James olhou rapidamente para ele e seus lábios formaram um pequeno sorriso. Fechou sua boca e observou o dedilhado voltar e os acordes finais.

Um segundo de silêncio se seguiu e James coçou sua nuca.

– Então? – ele quebrou o silêncio. – O que achou?

– Eu? – Keith disse com um tom surpreso e isso arrancou um sorriso divertido, mas fechado, de James.

– Vê mais alguém aqui, Keith?

– Mas por que eu?

Essa perguntava implicava não somente naquele momento, mas sim em tudo. E James percebeu isso no jeito que a pergunta soou. Eles nunca falaram sobre suas vidas ou gostos e agora James havia o convidado para a sua casa. Algo não se encaixava. Mas ele resolveu evitar a pergunta.

– Quem era o cara com quem você foi falar no intervalo? – Keith abriu a boca para retrucar e James lhe lançou um olhar cansado. – Sério, Keith. Eu voltei para falar com você e o vi saindo da sala para falar com você – ele voltou seus olhos para o violão. – Sei lá. Sei que não somos tão próximos nem nada, mas seria legal manter mentiras fora disso.

Isso definitivamente não era o que Keith estava esperando. Sua boca entreabriu-se e sua mente tentou buscar por desculpas, mas o que James tinha acabado de dizer, não o permitia sequer pensar nisso.

Keith estava acostumado a mentir, isso era um fato. Costumava achar a saída para situações em mentiras e nunca realmente foi pego ou ligou para isso. Entretanto, algo na fala de James demonstrava quase mágoa.

– E se eu não estou errado… é o mesmo cara que estava nos olhando na galeria, não era?

Ele suspirou e encostou suas costas à cama deitando sua cabeça na cama.

– Eu sei que não é da minha conta – ele soltou um riso seco e curto. – Na verdade, ignora isso tudo, não é sua obrigação me falar nada, afinal…

– Não é isso! – Keith o interrompeu abrindo os olhos, encarando o teto. – Não é isso, Jay – o nome dele saindo da sua boca era estranhamente confortável. – Eu que estava errado em ter mentido para você.

Ele levantou sua cabeça e dirigiu um pequeno sorriso para James.

– É uma longa história para falar a verdade – longa e recente, pensou. – Sim, eu conheço ele. Há muito tempo para falar a verdade. Moramos no mesmo prédio desde crianças – soltou um riso curto e em seguida um suspiro. – É, ele é o cara que estava nos olhando na galeria e o cara com quem eu fui falar no intervalo.

James percebeu que Keith não estava nem um pouco a fim de contar a “longa história”, mas iria se contentar com aquilo… pelo menos por agora.

– Mas você não respondeu a minha pergunta. – Keith falou com um sorrisinho.

– Ah – parece que não iria escapar tão fácil. – Eu sei, deve ter sido muito repentino mesmo. Quero dizer, nós nem somos tão próximos assim e… sei lá – ele tocou um acorde. – Você é a única pessoa que me defendeu desde que cheguei na escola e não tirou sarro de mim… além de servir como ótimo parceiro de fuga – isso arrancou um sorriso de Keith e James sorriu também. – Você também, estranhamente, não se importa quando eu estou precisando de silêncio e… em apenas três meses você conseguiu um jeito de saber o que eu quero dizer sem nem escutar minha voz… eu confio em você.

Keith o olhou com atenção, enquanto seus dedos passavam lentamente nas cordas e seus olhos encaravam uma partitura que havia sido deixada ao lado.

– Talvez eu não esteja fazendo sentido, mas, sei lá. Eu queria alguém além da minha irmã para escutar isso que eu… – ele parecia envergonhado. – Eu… compus. E você parecia a melhor opção.

– Faz sentido sim. – Keith assegurou-o e o olhar que recebeu de James o relaxou. Ele não estava bravo por causa da história com Henry e nem por ter sido evasivo sobre quem ele era. – Eu também queria… sei lá.

James assentiu como se entendesse e sorriu. Estava pronto para dizer algo quando escutam o portão se abrindo.

Seu sorriso morreu na hora.

Believer – 3

Capítulo 3

– Você está bem?

Olhou surpreso para James e assentiu levemente com a cabeça. Essa era provavelmente a primeira vez que escutava ele falar algo do tipo. Nunca havia perguntado a ele se estava bem ou não.

– Você não parece bem – franziu a testa e colocou uma mecha do cabelo castanho atrás da orelha. – Até parece que viu um fantasma.

– Como se essas coisas existissem – James deu de ombros e Keith sorriu de lado. – O que? Você acredita em fantasmas?

– Eu nunca disse que acreditava, só não nego totalmente a probabilidade da existência deles – disse calmamente.

– Isso é levemente contraditório – riu.

Ele revirou os olhos e o sinal bateu. O professor entrou na sala e pediu para que todos se sentassem. Demorou um pouco para que a sala ficasse em silêncio e assim que o professor se virou para passar algo na lousa, um papelzinho foi colocado em cima do seu ombro.

Você trouxe o trabalho? ”

Franziu a testa pensando no porquê James mandaria um bilhetinho somente para perguntar algo assim. Não demorou a escrever um “Sim” e devolveu o papel. Logo o recebeu de volta com um pedido para vê-lo e buscou as folhas na sua mochila. Virou-se para dá-las e encontrou uma expressão no mínimo estranha.

– O que foi? – sua voz era baixa, mas James a escutou claramente. Ele apenas negou com a cabeça e Keith apertou os lábios. – Você me conta depois.

Sem esperar uma resposta, Keith voltou a sua posição inicial e tentou prestar atenção na aula.

Claro que teve que resistir à vontade de questioná-lo sobre o que estava acontecendo, mas os minutos que se passaram foram bem tranquilos. Não teve a oportunidade de perguntar a ele o que estava acontecendo até que o sinal do intervalo bateu.

Os dois saíram da sala normalmente e se dirigiram ao pátio aberto. Sentaram-se numa área mais afastada e James subiu os pés no banco abraçando seus joelhos. Parecia muito menor do que já era naquela posição e a mente de Keith fez uma nota mental sobre quão fofo parecia. Nota esta que Keith fez questão de ignorar.

– Eu não quero ser intrometido e sério, se você não quiser me falar tudo bem, mas…- começou.

– Você quer ir lá em casa hoje? – a voz dele o interrompeu. Isso definitivamente não era o que ele estava esperando.

Olhou para James, mas ele tinha o queixo apoiado nos joelhos e os olhos voltados para o chão. Não sabia o que estava acontecendo, mas queria saber mais sobre ele. Havia quatro meses que estavam daquele jeito.

Entenda que Keith não queria algo a mais com James, não pensava em nada romântico ou qualquer coisa do tipo. Principalmente que depois dos problemas que teve com Henry, ele queria distância de qualquer tipo de relação mais… afetiva.

Mas James tinha algo nele que o deixava intrigado e queria realmente ser amigo dele. Amigo de verdade. Queria protegê-lo, ajudá-lo, consolá-lo.

Pensou sobre sua oferta. Qual era o problema de qualquer forma? Sua mãe iria viajar o que significava que seu pai ficaria até de madrugada na empresa. Ninguém daria por sua falta.

– Quero.

James levantou os olhos surpreso.

– Quer mesmo? – Keith deu de ombros e James assentiu levemente. – Ok, então.

– Ok – olhou para James de lado e deu um pequeno sorriso. – E onde você mora?

– Ah – passou a mão em seus cabelos os colocando para trás. – Não é muito longe, dá para ir a pé. Na verdade, moro numa casa a umas três quadras da galeria.

Então era realmente perto. Os dois ficaram em silêncio por alguns segundos até que James suspirou e apoiou sua bochecha em seu joelho e olhou para Keith.

– Espera, se é tão perto, por que demorou para entrar no Skype? – perguntou e notou James ficar nervoso.

– Eu… estava…

Ele demorou demais e tentou pensar numa desculpa convincente para dar a Keith.

– O que? Estava nervoso de fazer a chamada? – olhou divertido para ele. – Relaxa, eu te entendo. Não costumo fazer chamadas de voz, elas me deixam inquietos.

– Verdade? – franziu a testa. – Você parecia bem tranquilo.

– Ah, isso é porque… – e por que era isso? – Ah, sei lá. Talvez seja porque eu não fico nervoso quando falo com você – sorriu sem perceber o peso de suas palavras e não esperou por algum tipo de resposta do outro. – Então… o que aconteceu que você está desse jeito?

James mordeu a parte interna de sua bochecha e respirou fundo.

– Não aconteceu nada demais, é só que…

– Caralho, ele fala?! – risadas se seguiram após uma voz masculina cortar a fala dele.

Olhou para frente e encontrou quatro caras que reconhecia de anos anteriores. Talvez participassem de algum dos times da escola ou alguma outra coisa parecida. Havia uma menina alta junto de um deles que ria mais alto do que todos juntos.

– Essa é a sua voz mesmo? – ela tinha uma voz estridente e Keith achou-a particularmente irritante. – Ai meu Deus, eu não sabia que tinha trans nessa escola. Que nojo.

Keith levantou-se de supetão e percebeu com certo prazer que ainda era maior do que ela. Os caras provavelmente conheciam-no, pois um deles que rapidamente deu um passo para trás. A menina apertou o braço do cara no qual estava agarrada.

– Se ele é trans ou não isso não é da sua conta – sua voz era baixa e calma. Ela rapidamente se colocou atrás do cara. – O que foi? Está se escondendo agora?

– Qual é a sua, Keith? – Ele sabia seu nome e isso o fez franzir a sobrancelha. – Você costumava andar com gente melhor do que isso – o jeito com que apontou para James irritou-o ainda mais. – Na verdade, você corria feito um cachorrinho atrás de Henry, mas ao menos era um cara decente. – Ele soltou um riso de escárnio. – Se bem que Henry deve ter percebido que você era ficava muito atrás dele. Com certeza deve ter cansado da sua viadagem-

E ele foi interrompido por um soco no meio da cara.

Henry estava cansado da sua viadagem? Era isso o que ele saiu falando para as pessoas? Ele era o grudento que ficou correndo atrás deles? Ele era o culpado agora? Ninguém ali sabia de absolutamente nada e não tinham que saber de nada.

Lembrou-se, então, de quem era. Gabriel Ramos, um dos amigos de Henry, atacante e um idiota. Um dos motivos pelos quais nunca andava com os amigos de Henry era exatamente porque a maioria era como Gabriel. Imbecis.

Olhou para ele caído no chão e teve vontade de se ajoelhar somente para continuar a socar a cara dele, mas antes que pudesse sequer levantar o braço, sentiu duas mãos tocarem seu antebraço. Virou-se para trás e encontrou James o olhando surpreso.

– Vamos sair daqui – ele começou a puxá-lo e quando Keith ia protestar, ele o interrompeu. – Vamos logo!

Foi arrastado por James para longe e viu Gabriel levantar-se tocando seu maxilar. Olhou para o lado e viu Henry correndo na direção dele. Trincou seus dentes e simplesmente virou seu rosto para frente.

James só foi parar de andar quando estavam quase nas quadras abertas. Ele estava ofegante e sua mão parecia estar bem acomodada ao seu pulso, porque demorou um tempo para que ela escorregasse, passando levemente pela sua palma e pelos seus dedos.

– Mas o que foi aquilo? – não conseguia saber se ele estava irritado, magoado ou se ele estava reconsiderando tudo por ter escutado ‘viadagem’. Keith, mais do que antes, queria poder ter arrebentado com Gabriel logo de começo. – Keith, me responde.

Percebeu então que ele estava a sua frente e achou o jeito que ele olhava para cima para encontrar seu olhar simplesmente encantador.

– De-de-desculpe… – sua intenção era se desculpar por aquilo e pedir para que ele não ligasse para o que Gabriel disse, porém, mal conseguiu pronunciar o começo da frase. Começou mais uma vez, mas James levantou um dedo na frente da sua própria boca e Keith se calou.

– Não… não precisa se desculpar. Mas não faça mais aquilo.

Franziu a testa.

– Não estou feliz com o que você fez… – os cantos de seus lábios levantaram levemente e os olhos de Keith se arregalaram. – Talvez eu esteja um pouco. Mas ainda assim, não faça mais isso. Você pode ir parar na coordenadoria por algo assim.

Ele estava sorrindo. Era quase impossível de ver, mas ele estava sorrindo. Sorrindo de verdade. Keith nunca havia o visto sorrir e isso fez com quem seu coração vacilasse. Engoliu em seco, ao lembrar que já havia ido para a coordenadoria por esse motivo tantas vezes que nem o diretor ligava mais, mas que James não sabia disso e estava… preocupado com ele?

Mais importante: ele parecia não estar ligando para o que Gabriel tinha falado.

– Eu não realmente me importo – deu de ombros. Teve vontade de dizer que se fosse para fazê-lo sorrir mais, poderia bater em vários outros, mas achou que isso seria muito estranho de falar.

– Mas eu me importo. Não quero que vá parar na coordenadoria por minha culpa…

– Não é sua culpa que Gabriel é um retardado.

James olhou-o e Keith deu um sorriso. Ele simplesmente revirou os olhos, mas Keith podia jurar que ainda havia um ar de riso naquele olhar. Ele mordeu seu lábio inferior, precisava confirmar.

– Eu ainda posso ir na sua casa?

– Hum? – James o olhou confuso.

Respondeu que sim com um tom um pouco estranho e Keith não tinha certeza se ele havia entendido ao que estava se referindo ou não, mas achou melhor não insistir.

– Posso, a propósito… fazer uma pergunta? – ele perguntou e James assentiu. – Quanto você tem de altura?

– Que? – franziu a testa ainda mais e Keith quis dar um soco em sua própria cara ao perceber que aquilo talvez tenha sido uma ofensa. – Cara, você é estranho – e não esperou que o outro fosse soltar um risinho. – Tenho um e sessenta e cinco. Por que?

– Eu sou quinze centímetros mais alto do que você – arregalou os olhos e James revirou os olhos de novo, mas Keith percebeu que ele não estava bravo com aquele comentário.

Quando o intervalo acabou, pediu para que James fosse na frente e disse que tinha que passar no armário antes. Apesar de parecer um pouco relutante, ele seguiu para a sala e Keith andou na direção contrária. Foi direto para a sala do terceiro ano que ficava no final do corredor.

Parou em frente a porta e seus olhos se encontraram. Gabriel fez menção de se levantar, mas Henry foi mais rápido. Keith se afastou um pouco da sala e Henry o seguiu.

– Achei que quisesse distância, Keith – ele parecia cansado. – Você deixou isso bem claro…

– Eu sei, e é por isso que eu estou aqui – a voz dele era grave e Henry percebeu que ele estava irritado.  – Mantenha seus amiguinhos longe de mim e dele.

– Primeiro, do que você está falando?

– Estou falando dos babacas que ficam seguindo você e estão não só me incomodando, mas também James.

– E você quer que eu faça o que? – o jeito que ele estava ali para defender aquele garoto o irritou. – Você fala como se eu mandasse neles, Keith.

– Você manda – Henry suspirou. – Pare de se fazer de desentendido, afinal, como se não bastasse toda aquela merda,  você ainda foi falar que eu ficava correndo atrás de você.

– O que? – a entonação confusa de Henry o deixou mais furioso. – Eu nunca disse isso…

– Que seja – interrompeu-o não aguentando mais aquela conversa. – Apenas certifique-se de ficar e manter longe dele e de mim os seus amigos.

Deu as costas para Henry com o coração batendo com força contra as suas costelas. Ia dar dois passos para frente quando a mão de Henry o segurou.

– Me solta, Henry – sua voz era firme.

– Nós temos que conversar, Keith. Sei que quer distância e eu estou disposto a lhe dá-la, mas as coisas não precisam ser assim. Você socou Gabriel por motivo nenhum e…

– Motivo nenhum? – Keith soltou uma risada irônica antes de continuar. – Você não pode estar falando sério. Sabe, Henry? Talvez você devesse começar a procurar a verdade dos fatos ao invés de acreditar em qualquer merda que seus amigos falam – deu um sorriso debochado. – Eles podem mentir tanto quanto você.

Soltou seu braço com força da mão de Henry e deu as costas novamente. Não viu o outro apertar seus lábios e fechar os olhos antes de voltar para a sua sala.

Em pouco tempo estava na sua sala e o olhar que recebeu de James era claro.

– Desculpe a demora, tive que ir ao banheiro.

James deu de ombros e voltou-se para um caderno de música. Estava escrevendo algumas notas e isso rapidamente atraiu a atenção dele.

– O que está escrevendo?

Ele deu de ombros novamente e Keith observou a forma com que seu cabelo liso caía e como estava debruçado sobre o caderno. Parecia que nada poderia lhe desconcentrar daquilo agora. A professora entrou na sala e Keith pegou o trabalho para entregar a ela.

– Mais tarde.

– Quê? – Keith voltou-se para James sem entender o que ele estava tentando dizer.

– Mais tarde você vai ver.

Seu tom era baixo e tinha algo nele que fez Keith sorrir.

– Ok.

Believer – 2

Capítulo 2

– Temos um trabalho para entregar amanhã, não é? – James franziu a testa lembrando daquilo. – Como vamos fazer isso? Quero dizer, é um trabalho escrito, não é?

Geralmente sempre faziam os trabalhos na sala de aula, rapidamente, discutindo as ideias básicas e executando cada um sua parte isoladamente. Como estavam numa semana de provas, acabaram esquecendo do tal trabalho.

– Podemos fazer essa tarde – Keith jogou os pratos descartáveis no lixo junto dos copos.

– Sim, mas como? Eu não é como se eu pudesse ir na sua casa para fazer isso e…

Keith queria perguntar porque isso não podia ser possível, mas resolveu que não era uma boa ideia.

– Você tem Skype? – Keith o interrompeu e James o olhou confuso, mas assentiu. – Então me passa, a gente faz por chamada.

Ele olhou para Keith tentando esconder sua surpresa. Nunca nem usava o Skype, muito menos fazia chamadas. Só de pensar nisso já ficava um pouco nervoso. Percebendo que estava demorando muito, ele assentiu, pegou seu celular e disse que podia o adicioná-lo ali de uma vez.

Após isso, começaram a andar pelos corredores e a observar as vitrines. Não falaram muito, apenas um comentário ou outro sobre alguns produtos, mas nada que iniciasse uma conversa. Contudo, mesmo que estivessem em silêncio, não era algo exatamente desconfortável.

De tempo em tempo, Keith baixava seu olhar para ver James arrastando seu indicador nas vitrines enquanto andavam e às vezes James olhava de volta fazendo Keith olhar para o outro lado torcendo para que seu amigo não achasse aquilo estranho. Mas seu nervosismo era à toa, já que James não demonstrou em nenhum momento que estava incomodado.

Não passaram muito tempo lá, entretanto. Depois que deu o horário em que sairiam da escola, eles resolveram voltar cada um para sua casa.

– Nos falamos no Skype então – Keith colocou sua mochila no ombro.

– É… – James assentiu e fechou o casaco. – Então… você me chama?

– Pode ser – ele deu de ombros e assentiu. – Até.

Eles pararam um de frente ao outro e James acenou. Keith quase se bateu por ter achado aquele gesto fofo e acenou de volta dando as costas para ele enquanto se encaminhava para o ponto de ônibus. Olhou para trás em algum momento e não o viu mais.

– Mas o que estou fazendo…

Suspirou e pegou seu celular colocando os fones de ouvido. Enquanto colocava algo calmo para escutar, abriu o aplicativo do Skype e olhou para o nome de James. FrakfurtJ.

– Que nome mais sem graça – deu um pequeno sorriso e avistou seu ônibus.

Entrou e se sentou no assento da janela. Olhou para fora e apertou o celular em sua mão quando o viu. Estava andando com mais dois rapazes e ria abertamente. Ele não olhou em sua direção e Keith soltou a respiração que nem tinha notado que estava segurando.

Por que sequer estava olhando? Não podia esperar que ele ficaria mal durante tantos meses. Era melhor que as coisas se mantivessem assim. Nenhum dos dois precisava de mais problemas de qualquer forma.

Chegou no prédio em que morava e subiu para seu apartamento. Seus pais só chegariam a noite. Seu pai, um homem alto de cabelos grisalhos e nariz longo, trabalhava numa empresa enquanto sua mãe, uma mulher também alta e atualmente loira, trabalhava como estilista. Ela passava o dia no ateliê, quando não estava viajando, e seu pai trabalhava o dia inteiro como um dos sócios de uma empresa de tecidos. Foi assim que se conheceram na verdade, mas nunca entraram em muitos detalhes com ele.

Já tinha tido vontade de perguntar, mas não se sentia confortável nem ao menos falando sobre a escola, imagine algo assim.

Dirigiu-se ao seu quarto com seus pensamentos e deixou sua mochila no chão ao lado da porta.

Seu quarto era grande, tinha uma cama de solteiro com colchas escuras e uma escrivaninha espaçosa coberta de cadernos e seu laptop ficava no centro daquela bagunça. Ao lado da escrivaninha estava um móvel com a TV de LCD e mais seus consoles. Havia uma caixa de papelão perto do guarda-roupa cheia de jogos que já havia terminado.

As paredes eram brancas e não havia nenhuma decoração nelas mesmo que sua mãe tivesse lhe dito para colocar algum pôster ou qualquer coisa. Ele não sabia exatamente o que colocar. Nesse momento se lembrou de James e imaginou se ele teria pôsteres de bandas na parede de seu quarto.

Enquanto isso, abriu o laptop e conectou-se ao Skype.

Demorou um pouco para que ele ficasse online e assim que entrou, Keith mandou uma mensagem perguntando se poderiam começar. James lhe respondeu que sim e Keith iniciou a chamada.

– Oi – escutou a voz dele e sorriu levemente. Rapidamente tirou o sorriso da cara e lhe respondeu. – Então… como vamos fazer isso?

De alguma forma, eles se organizaram e conseguiram fazer o trabalho. Keith se predispôs para imprimir e James disse que por ele estava tudo bem. Depois disso alguns minutos de silêncio se seguiram, até que a voz dele se fez ouvir.

– Eu vi um cara nos olhando hoje – Keith engoliu em seco. – Tinha cabelo claro, preso num coque, roupas claras… e estava olhando para você acho.

– Ah é? – não gaguejou, mas dava para perceber o nervosismo em sua voz. Não queria que ninguém soubesse da sua relação com ele, muito menos James.

– Você não reparou?

– Não – para falar a verdade, realmente não tinha reparado. Segurou um suspiro e se perguntou porque diabos ele estava encarando os dois. – Nem deveria ser nada, Jay- quero dizer, James.

Houve uma pausa e Keith escutou um som leve de violão.

– Pode me chamar de Jay – mais acordes. – Eu não realmente me importo.

Henry entrou no prédio despedindo-se de seus colegas e pegou o elevador. Quase apertou o “5” por engano e teve que se segurar para não suspirar. Apertou o “7” e imaginou como ele reagiria se aparecesse na porta dele naquele instante.

– Provavelmente vai me mandar embora antes mesmo que eu possa abrir a boca – mordeu seu lábio inferior e desceu quando o elevador abriu a porta.

Abriu a porta da sua casa e foi recebido por um cachorrinho preto.

– Oi garoto – sorriu e o pegou no colo. – Sentiu minha falta?

O cachorro latiu e lambeu seu rosto. Henry começou a rir e viu que a tigela dele estava vazia. Colocou-o no chão e pegou a ração no armário.

– Interesseiro, você só queria que eu colocasse comida para você – escutou mais latidos e sorriu. – Come aí, garoto.

Saiu da cozinha e foi direto para seu quarto deixando sua mochila em cima da cama. Ligou seu computador e em um gesto quase automático colocou a playlist no Spotify para tocar.

Ao som de Passenger, Henry suspirou lembrando-se dos momentos compartilhados com ele. Queria simplesmente esquecer-se de tudo aquilo, mas a culpa o consumia. Ainda mais que aquele sentimento incômodo não havia ido embora.

E provavelmente nunca iria.

Ou talvez estivesse apenas exagerando. Como saberia?

Sua irmã chegou e ele simplesmente trancou a porta do seu quarto antes que ela pudesse entrar. Ignorando os chamados dela, conectou-se ao Skype e viu que Keith estava online, o que era bem incomum, já que ele sempre ficava com o “Ocupado” selecionado.

Novamente pegou-se pensando sobre com quem ele estava falando. Franziu o cenho e abriu a conversa com ele lendo as últimas mensagens que tinha mandado.

– Cinco meses. Há cinco meses que ele nem me olha na cara – fechou os olhos e passou a mão no rosto.

A verdade era que tudo estava lentamente indo por água abaixo há mais do que apenas cinco meses.

Se somente ele não tivesse conseguido acabar com tudo o que tinham… talvez ainda estivessem bem, talvez ele estivesse ali do seu lado, conversando e rindo sobre coisas estúpidas enquanto desenhava algo. Como eram as coisas antes.

– Ele estava certo. Nunca deveríamos ter dado o segundo passo.

Olhou para seu protetor de tela vendo o desenho que ele havia feito para seu aniversário no ano que se passara. Lembrava-se com todos os detalhes como naquela manhã quente de setembro Keith havia aparecido na sua casa trazendo para ele uma folha A3 dobrada.

Ele parecia envergonhado e animado ao mesmo tempo, ansioso para que visse o desenho que havia feito. Quando lhe foi desejar feliz aniversário, quase que não conseguiu falar nada do tanto que estava gaguejando.

Lembrou-se do rosto corado dele quando riu e mandou-o entregar o desenho de uma vez.

Seu coração apertou só de lembrar o que sentiu quando desdobrou a folha e viu o desenho que representava os dois com asas e voando em direção ao sol. De mãos dadas. Suas mãos se fecharam para tentar relembrar como foi segurar as mãos dele após deixar o desenho em cima de sua cama. Seus lábios se entreabriram lembrando da sensação.

Nada disso seria possível novamente.

E tudo era culpa sua.

– Ele era o suficiente – os olhos marejados de Keith apareceram em sua mente. – Ele era mais do que o suficiente.

Levantou seus olhos e olhou para fora da janela vendo o sol entrar quis poder voltar no tempo e desfazer tudo o que tinha feito. Queria poder tê-lo de volta.

No dia seguinte, Keith levantou-se e deu de cara com seu pai no caminho para o banheiro. Deu “bom dia” e escutou o suspiro dele atrás de si. Não queria virar-se e perguntar o que havia acontecido, mas era óbvio que tinha escutado. Não tinha como fugir agora.

– O que foi, pai?

– Sua mãe vai viajar novamente. Hoje à tarde – sabia que seu pai ficava chateado com a frequência que ela estava indo viajar, mas esta era a primeira vez que ele realmente falava sobre isso.

– É o trabalho dela – olhou para seu pai passar a mão nos cabelos grisalhos e notou olheiras mais fundas debaixo dos olhos escuros dele. O roupão cinza estava gasto e ele parecia mais cansado do que o normal. – Por que está se preocupando? Ela já foi um milhão de vezes.

– Eu sei. É isso… é exatamente isso que está… – suspirou e balançou a cabeça. – Ela poderia não viajar dessa vez. Ela poderia simplesmente mandar um email que isso seria resolvido. Você acha que…

Keith o olhou e soube o que seu pai estava tentando dizer.

– É só trabalho pai – franziu a testa e seu pai soltou uma risada curta.

– Sim, claro. Acho que vou… vou me arrumar agora – observou enquanto ele andava até o quarto.

Sua mãe não faria algo assim. Os dois nunca foram o casal modelo – do tipo que faziam coisas bonitas um para o outro, ficavam juntos o tempo todo -, mas Keith sempre os viu como um casal que se respeitasse. Nunca realmente brigaram ou algo assim, então não havia motivos para que seu pai sequer duvidasse, não é?

Entrou no banheiro e olhou seu reflexo. Um rapaz de dezessete anos, com cabelos castanhos curtos e bagunçados, pele levemente bronzeada pelo sol, olhos pretos e boca bem feita que não possuía a mínima noção do que estava fazendo com a própria vida.

Sorriu com escárnio, achava que sua mãe nunca faria algo assim, mas quem era ele para confiar mesmo? Afinal, mesmo quem aparenta amar pode trair.

E sabia muito bem disso.

Believer – 1

Capítulo 1

O primeiro sinal tocou e com isso boa parte da sala levantou para conversar uns com os outros e serem sociáveis. Entretanto, os dois continuaram sentados em suas carteiras somente esperando a saída do professor.

Enquanto o senhor guardava os livros e o apagador em uma sacola, ele sentiu uma mão sobre seu ombro e virou sutilmente seu rosto para trás. Encontrou-o tão inexpressivo como sempre, com os olhos baixos e a boca fina fechada, mas sabia que o que se passava em sua mente era muito mais do que aparentava.

Assentiu com a pergunta silenciosa e observou o professor colocar a sacola no ombro. Os dedos finos e curtos apertaram seu ombro com mais força e ele murmurou “calma”. A mão pequena demais para um adolescente de dezesseis anos soltou seu ombro e ele suspirou.

– Eu sei que está sendo difícil, mas temos que aguentar um pouco mais – girou seu corpo levemente para encontrá-lo com a expressão levemente alterada. Suas sobrancelhas um pouco franzidas indicavam que estava irritado. – Pelo menos já é sexta-feira.

O garoto que sentava logo atrás de si voltou seus olhos cor de mel para baixo e apertou a lapiseira com força. Demorou um pouco para que olhasse para cima e colocasse uma das mechas castanhas atrás da orelha.

– Você deveria cortar o cabelo. Deixar mais como o meu – o garoto negou com a cabeça e ele suspirou. – Isso deixaria sua vida bem mais fácil.

Recebeu um olhar desacreditado e teve vontade de dar um sorriso sarcástico para aquele que era o único a quem poderia atribuir o título de “amigo”.

– A próxima aula é história e depois é educação física – franziu a testa junto com ele ao lembrar da aula da qual eles mais odiavam. – Temos algumas opções… podemos ir para o ginásio e nos escondermos no vestiário… – ele negou com a cabeça. – É, tem razão, já nos pegaram lá então não é um lugar seguro. Mas nós também podemos tentar sair do colégio… ou isso seria muito arriscado? – atentou-se a reação do menor.

Seu amigo apertou os lábios. Ambos sabiam que sair do colégio ao final da segunda aula seria extremamente perigoso para voltar depois sem serem pegos.

– Ou podemos ir para a aula e pedirmos para que sejamos liberados para a enfermaria – o outro revirou os olhos. – É, essa definitivamente é a pior opção.

A professora de história entrou na sala e os dois voltaram a suas posições anteriores.

Já estava aceitando o fato de que se esconder no vestiário seria a escolha mais plausível quando um pequeno papel foi colocado em seu ombro.

Podemos tentar sair… só hoje. Eu não estou afim de assistir o resto das aulas de qualquer maneira”

Bom, isso definitivamente era algo incomum, já que o outro era quem nunca queria fazer nada arriscado. Ponderou se deveria perguntar se estava tudo bem quando saíssem ou se isso pareceria muito íntimo para o tipo de amizade deles. Se bem que nem ao menos sabia se a relação dos dois era bem uma amizade. A verdade é que possuía zero habilidade em ler as pessoas ou entender entrelinhas. Apenas uma de muitas razões que justificavam o fato do seu amigo mais próximo só servir para cabular aulas e fazer trabalhos. Por mais que quisesse e se preocupasse com ele, não sabia se tinha carta verde para poder realmente tentar conhecê-lo melhor.

Olhou para ele com o canto do olho e não disse nada.

Também não queria assistir as aulas daquele dia mesmo.

Olhou para ele com incredulidade quando pularam o portão da escola. Eles realmente estavam fazendo aquilo e agora não tinham mais como voltar. As mochilas estavam jogadas no chão e ele colocou a sua no ombro e pegou a do seu colega de fuga pela alça.

– Então, Jay Frankfurt , o que faremos agora? – seu tom era levemente zombeteiro e tinha um sorriso de canto.

– Não me chame assim – respondeu com um suspiro. Olhou para ele e arqueou uma sobrancelha. – O que foi?

Era sempre uma surpresa escutá-lo falar. Obviamente escutara sua voz outras vezes, mas James sempre evitava ao máximo falar e mesmo quando era obrigado, como num seminário por exemplo, dava um jeito de não precisar abrir a boca. Alguns professores até mesmo acreditavam que o garoto era mudo ou algo assim.

– Nada – deu de ombros fingindo indiferença. – Mas então, o que vamos fazer?

Observou o garoto suspirar novamente e voltar os olhos para o chão. Seus ombros curvados davam a impressão de que era ainda menor do que realmente era e sua estrutura franzina lhe dava um ar quase infantil. Se não fosse pelo o olhar mortal que carregava vinte e quatro horas, qualquer pessoa poderia o descrever como frágil.

– Não é como se você tivesse que passar esse tempo comigo, Keith. Não vamos voltar para a aula de qualquer maneira – havia no seu tom uma leve ponta de apreensão. – Acho que a galeria está aberta, entretanto.

A voz dele era baixa e um pouco doce, o que era um dos motivos para ele nunca a usar. Já bastava o que escutava normalmente de todas as pessoas possíveis sobre a sua aparência. Keith o olhou atentamente e assentiu com a cabeça.

– Quer passar o tempo lá?

– Não se sinta obrigado.

– Não estou me sentindo obrigado – olhou para ele ajeitar a mochila em suas costas. – Eu não tenho nada para fazer em casa mesmo. Vamos.

James esperou ele começar a andar para manter-se um passo atrás.

Era sempre assim. Quando saíam para os intervalos, Keith era sempre quem se levantava primeiro e ficava a frente. James preferia andar perto dele, porém um pouco atrás. Achava que ele fazia isso para se esconder das pessoas e, sinceramente, Keith conseguia entender isso. Porém, com seus 1,80m de altura isso ficava um pouco difícil e com o tempo aprendeu a ignorar – ou enfrentar, dependendo do caso – as pessoas ao invés de se esconder delas.

Não se importava com o fato de James se esconder atrás dele, na verdade, ficava de certa forma contente por ter alguma importância na vida de alguém.

Entenda que Keith não é o tipo de cara que não ligava para o mundo. Ele ligava e ele sempre teve aquele desejo dentro de si de útil para algo ou até mesmo alguém. Entretanto, o que ele queria e como seu corpo reagia não concordavam.

Quando se encontrava numa situação na qual teria que conversar ou interagir de forma amigável e sociável com outra pessoa, Keith começava a suar frio e a gagueira presente em toda a sua infância simplesmente voltava e tornava quase impossível de manter uma conversa com alguém.

Como tornou-se amigo de James é uma ótima pergunta.

O conheceu no começo daquele ano, há quatro meses, quando o garoto chegou transferido de outro Estado. A cidade em que viviam não era pequena, mas não chegava a ser uma grande cidade o que fazia a chegada dele uma certa novidade, então, ele atraiu atenção logo no primeiro dia.  Quando Keith começou a aproximar-se, algo nele não o deixava nervoso, muito pelo contrário, a presença leve – e às vezes assustadora – dele o relaxava. Sentia-se quase confortável ao lado dele.

Assim que começaram a tirar sarro e a perturbar James, Keith sentiu a vontade de andar com ele ficar mais forte. Nega até a morte que queria o proteger, mas admite – ao menos para si mesmo – que odiava o que estavam fazendo. Teve que aguentar muita merda quando criança por causa da forma que falava e até o momento em que descobriu que podia revidar com seus punhos, sofreu um bocado.

Não contou para James que a maioria das pessoas se mantinham afastadas porque havia criado em anos anteriores uma bela fama de delinquente e mesmo que achasse que isso não iria interferir na relação dos dois, preferia ficar quieto.

Andaram calmamente até a galeria e se dirigiram sem pronunciar uma palavra até a lanchonete que ficava nos fundos junto da pequena praça de alimentação.

Uma coisa que deixava Keith um pouco incomodado era exatamente isso. A relação dos dois. Gostaria de chamá-lo de amigo, mas não sabia se podia fazer isso. Amigos são mais próximos do que isso, não é mesmo? Uma amizade incluí conversar sobre coisas que gostam e confiança um no outro.

Se bem que… A parte da confiança já existia de certa forma.

Olhou com o canto do seu olho para ele e observou enquanto ele pedia seu lanche. Logo pediu um misto quente e um suco de laranja. Esperaram um pouco enquanto outras pessoas faziam seus pedidos e preparavam os deles.

– Você parece ser um cara forte, porque odeia a educação física?

Voltou-se surpreso para James. Aquela pergunta havia surgido do nada. Abriu a boca para respondê-lo, mas sua língua enrolou e fechou os olhos soltando um suspiro de frustração.

– Você está bem? – arqueou uma sobrancelha e Keith assentiu respirando fundo, tentando engolir seu repentino nervosismo.

– Eu não gosto de esportes coletivos.

James assentiu e pegou os sucos enquanto Keith pegou os pratinhos. Sentaram-se frente a frente numa mesa de quatro lugares. James retirou o casaco preto revelando a blusa de frio escura sem estampa alguma.

Era normal vê-lo com roupas escuras e lisas. Nunca tinha visto-o nem mesmo com camiseta de bandas ou algo assim, o que não facilitava já que não conseguia perguntar a ele que tipo de música gostava ou o que assistia.

– Não gosto de me mover para falar a verdade.

James estava falando até que muito hoje e Keith imaginou se isso significava que poderia tentar perguntar mais sobre ele. Numa escala de 0 a 10 em conhecimento sobre James Frankfurt, Keith estava provavelmente estagnado no 1 e ele queria saber mais.

– O que você gosta de fazer então?

Ele tomou um gole do suco que havia pedido e manteve-se calado por um tempo. Keith se xingou mentalmente e estava quase falando para James ignorar sua pergunta, quando a voz dele se fez ouvir.

– Não muitas coisas. Gosto de compor… acho – ao ver o olhar surpreso de Keith, ele quase corou e olhou para seu prato com o pão sírio recheado com queijo e alface. – Não sou bom nisso, entretanto.

– Eu gostaria de escutar – sorriu levemente e James o olhou. – Quero dizer, só para poder dizer com certeza se você é bom n-nisso m-mesmo – queria dizer que não precisava se ele não quisesse, mas as duas últimas palavras quase não saíram.

Um momento de silêncio se fez e Keith queria morrer com aquilo. Receou que se tentasse falar mais alguma coisa, gaguejaria tanto que só constrangeria a si mesmo.

– Talvez um dia.

Levantou seus olhos para encontrar o rosto dele voltado para o prato. Teve que segurar um suspiro de alívio e ele assentiu.

– Talvez um dia.

Keith podia jurar que viu a sombra de um sorriso no rosto dele.

Ele estava acompanhado de dois amigos quando passou em frente à galeria e viu Keith com um garoto que não conhecia. Franziu a testa levemente estranhando aquela cena. Não imaginou que Keith havia feito amigos na escola, não depois de ter arrebentado a cara de metade dos garotos do terceiro ano.

Na verdade, achou que ele não queria fazer amigos.

Suspirou. Não podia afirmar nada e não podia simplesmente dizer que Keith era um mentiroso. Havia tanto tempo que ele nem olhava na sua cara, então ele não tinha obviamente que lhe dizer nada. Nem mesmo pelos corredores encontrava-o, o que claramente significava que o outro estava empenhando-se em evitá-lo.

– Henry? Cara, você está bem? – escutou a voz de Gabriel e percebeu que ele tinha parado para observar Keith. – Você parou de repente…

– Está tudo bem. Não estou a fim de comer aqui então vamos para o Plaza.

Seus amigos entreolharam-se estranhando a mudança de humor dele, mas decidiram não questionar e simplesmente se dirigiram para o shopping que ficava a dez minutos dali.

Henry não olhou para trás. Não queria causar nenhuma briga na frente de todos e Keith havia deixado bem claro que não queria que ele se aproximasse.

Já havia acontecido o suficiente entre eles e era melhor deixar tudo daquele jeito.

World So Cold – 4

CHORO

Chegou na cidade com os olhos inchados e as mãos trêmulas. Tentou não focar no que poderia ter acontecido com Eric e começou a analisar a situação para que pudesse fazer algo. O garoto não havia lhe dito o endereço de onde estava, mas era claro que com um desastre daquela proporção, as informações estariam em todos os lugares.

Assim que passou a entrada da capital, seguiu para o shopping mais próximo onde se conectou ao Wi-Fi e viu as notícias das últimas duas horas sobre o acontecimento. Viu todas as fotos e tentou identificar o homem que Eric descreveu nelas, mas não possuiu nenhuma sorte.

Achou uma notícia que finalmente dizia o endereço do prédio e logo abaixo das imagens estava a informação sobre um rapaz que se jogou do quarto andar. Não havia nada dizendo para onde o tinham levado, mas Ian sabia que deveria ser algum hospital próximo.

Sabia que Eric queria que ele fosse atrás do causador de tudo aquilo, mas não estava em condições de procura-lo. Tudo o que queria era ir atrás dele. Pesquisou hospitais próximos a região e achou um pronto socorro e um hospital particular. Decidiu começar pelo pronto socorro público.

Colocou os fones e o endereço do prédio no GPS de seu celular. Tinha que chegar o mais rápido possível.

Por estar muito próximo da meia-noite não tinha quase nenhum carro na rua então pode passar pelas ruas iluminadas com certa rapidez. No percurso passou em frente ao prédio e deu seu máximo para ignorar os escombros e a quantidade de pessoas chorando ali. Seguiu para o pronto socorro e encontrou ali alguns poucos repórteres e câmeras.

Estacionou a moto ao lado de uma ambulância e forçou seu caminho por entre as pessoas do pronto socorro. Quando finalmente entrou, viu o tumulto que estava acontecendo. Pessoas feridas estavam deitadas no chão, outras sentadas nas cadeiras de plástico, enfermeiros tinham olhares perdidos e outros funcionários estavam igualmente desesperados em meio a tanta dor.

Engoliu em seco e se dirigiu ao guichê. Tentou chamar a atendente, mas uma mulher gritava com ela tão alto que engoliu sua voz completamente.

Não podia continuar perdendo tempo ali. Simplesmente empurrou quem estava no meio de seu caminho e entrou na área de consultórios e internações. Olhou para os lados e buscou pelo rapaz de dezenove anos. Conforme não o achava, abriu portas e tentou falar com enfermeiros. Todas as respostas eram monossilábicas ou ele era apenas ignorado.

Já tinha sido difícil o suficiente chegar ali sem ter um ataque de pânico no meio da estrada e agora não conseguia o achar. Talvez ele estivesse no hospital particular ou algo assim.

Ian estava pronto para sair quando uma silhueta chamou sua atenção. Alto e coberto de pó com uma mão segurando o braço direito. Ele conseguiu ver as largas costas nuas e cheias de pequenos cortes virados para ele e uma enfermeira assustada. Reconheceu no mesmo momento o cabelo liso e castanho claro dele, juntamente com a cicatriz na sua nuca.

– Eric…? – O vocativo saiu mais como um suspiro e ninguém em uma situação normal conseguiria escutá-lo.

Entretanto, o rosto dele se virou lentamente em sua direção e Ian pode ver seu rosto.

Um grande corte em sua testa fez com que boa parte do lado esquerdo de sua face ficasse ensanguentada. Os olhos azuis estavam vermelhos e inchados, mas não parecia ter chorado recentemente, fuligem cobria desde seu queixo até seus ombros.

A mão de Eric lentamente caiu de seu braço e seus lábios se entreabriram por ver Ian ali, na sua frente.

O caos ao redor dele pareceu ficar em segundo plano e os pedidos da enfermeira para que se sentasse foram simplesmente ignorados. Eric andou até ele e seus olhos demonstravam descrença.

Ian não recuou quando os dedos longos de Eric tocaram sua bochecha levemente.

Naquele momento ele explodiu em lágrimas. Seu peito subia e descia violentamente conforme os soluços dolorosos escapavam e ele percebia que Eric estava realmente ali, que ele não estava morto, ele estava bem.

– Senhor, por favor, você tem que ficar parado…

Mas como ele estava bem? Ele tinha pulado do quarto andar e mesmo que não fosse tão alto, era impossível que estivesse bem o suficiente para estar de pé e andando normalmente. O fato de que a enfermeira estava falando com ele tirou a dúvida de que estava vendo um espírito, mas ainda assim…

Eric sorriu e puxou Ian para perto dele com cuidado. Em menos de um segundo, ele estava embalando o menor num abraço apertado e regado por lágrimas. A enfermeira desistiu e correu para atender outras pessoas deixando os dois ali.

Os braços magros de Ian envolveram a cintura de Eric e ele enterrou seu rosto no peito dele. Não importa como ele estava vivo, ele simplesmente estava e não ligava para mais nada além disso.

A verdade era que nem mesmo Eric entendia como estava vivo. No momento em que jogou seu corpo para fora, tudo na sua mente pareceu ficar em câmera lenta e quando seu corpo atingiu o chão, não sentiu nenhuma dor real. Ficou inconsciente até o momento em que entrou no Pronto Socorro. Assim que acordou, viu os cortes e machucados, mas não sentia nenhum deles. Estava discutindo com a enfermeira, pois queria sair dali logo, quando Ian chamou seu nome.

Ele tinha crescido um pouco, mas a diferença de altura tinha se mantido. Sua estatura continuava pequena e ele parecia tão frágil quanto anos. Tinha olheiras escuras abaixo dos olhos chorosos e a pele morena possuía cicatrizes que não tinha visto antes. A camisa social e o jeans combinavam estranhamente bem com ele e, nossa, como tinha sentido falta de ver aquele cabelo ondulado e bagunçado.

Aproximar-se dele foi um movimento impensado, quase como se seu corpo se movesse por conta própria e a sensação da pele macia do menor embaixo dos seus dedos fez seu coração acelerar.

O choro que irrompeu daquele pequeno ser valia pelos dois. Embalá-lo em seus braços parecia tão familiar e tão reconfortante, como se ele finalmente tivesse reencontrado uma parte importante de si quando acabara de perder várias outras.

Ian era a sua ancora naquele mundo agora, ele era seu tudo. Não importa o que acontecesse, nunca mais o deixaria escapar.

– Precisamos sair daqui. – Eric sussurrou. – Eu tenho que voltar.

Ian se afastou subitamente incrédulo. Seu olhar indicava que isso era loucura, mas Eric sabia o que estava fazendo.

– Eles devem estar todos lá, Ian, eu tenho que atravessá-los. É a única coisa que eu posso fazer agora.

Ele se sentiu culpado por não ter chego antes, por não estar perto de Eric para impedir tudo isso de acontecer. Entendia o porquê de ele querer voltar e não podia privá-lo disso de forma alguma. Contudo, sentia como se aquele lugar fosse extremamente perigoso e não queria que ele ficasse em risco novamente.

– Por favor. – Eric olhou bem em seus olhos e viu sua hesitação. – Só precisamos chegar perto, eu tenho que ter certeza de que eles não vão ficar vagando.

Ian suspirou pesadamente e assentiu ainda hesitante. O sorriso de Eric doeu em seu coração, pois sabia que tudo o que ele não estava se sentindo era feliz. Afastou-se completamente dele e pegou seu pulso levemente para puxá-lo junto de si em direção a saída.

Eric deu um sorriso triste ao sentir o toque de Ian. Não era certo que tivessem finalmente se encontrado naquela situação. Sentiu o nó na garganta ao pensar em todas as vezes que imaginou um jantar com toda a sua família e ele apresentando Ian como um deles. Teve que se controlar para não começar a chorar novamente pensando na sua mãe desesperadamente tentando abrir a porta da sacada, gritando o seu nome.

Tiveram os dois certa dificuldade para ultrapassar a mídia sem que os vissem, mas logo chegaram a moto de Ian. Não era nenhuma moto cara, mas estava em ótimas condições.

– Onde você a conseguiu? – Perguntou enquanto Ian desamarrava sua mala para dar espaço para Eric.

– Trabalhei durante um tempo num ferro-velho no interior – disse amarrando a mala novamente mais atrás. – Ele me considerava como um neto e me deu a moto.

– Isso foi quando?

– Há uns dois anos, acho. – O tom de Ian indicava memórias dolorosas, então achou melhor para com as perguntas por ali. – Sobe.

Era um pouco engraçado ele segurar na cintura de Ian quando este ligou a moto, pois seu tronco era maior do que o dele e sem nenhum esforço ele podia colocar o queixo no topo da cabeça de Ian. Deixou esse pensamento de lado quando a moto começou a andar e se concentrou em não cair dali.

Não demorou mais do que dez minutos para chegarem ao local e enquanto Ian e grande parte população só viam os escombros, Eric conseguia enxergar mais de cem almas confusas e chorosas andando no meio deles.

Sua mente começou a se encher das memórias de todos eles assim que seus olhos encontraram os de algumas almas. Todas as imagens o fizeram descer cambaleante da moto e teria caído se não fosse pela mão firme de Ian o segurando. Olhou o garoto agradecido e respirou fundo.

Não parou para responder as perguntas das almas, apenas as tocou para que não tivessem que ficar ali durante mais tempo. Andou com cuidado para não ser pego pelos bombeiros e nenhuma câmera o gravar.

Ian o observou esticar o braço diversas vezes e tocar o ar. Praticamente estudou os movimentos leves e contidos do rapaz enquanto refletia sobre como ver pessoas mortas deveria ser horrível. Não conseguia chegar a uma conclusão quando pensava no que seria pior, matar essas pessoas ou ter que as ver incessantemente.

Encostou-se a moto e achou melhor deixa-lo cuidar disso sozinho. Analisou bem toda a sua forma enquanto isso. Eric tinha crescido muito e se tornado um cara forte como pensou que iria, mas seu coração parecia ser exatamente o mesmo de antes e a voz alta e clara apenas se tornou mais consistente e grave com o passar dos anos.

Os pés de Eric pararam e isso interrompeu sua linha de pensamento. Será que havia algo errado? Rapidamente ergueu seu corpo da moto e caminhou lentamente até ele. Quis o chamar, mas assim que se colocou ao seu lado e viu os olhos azuis carregados de lágrimas ele se deteve.

Era a família de Eric que estava a sua frente e as almas o olharam sem saber o que estava acontecendo. O mais velho engoliu em seco e respirou fundo antes de deixar as lágrimas caírem. O desespero de horas antes não estava mais presente, tudo o que sentia naquele momento era pura tristeza.

Por inúmeras vezes ele odiou ver espíritos, era incomodo e muitas vezes o enchia de uma melancolia inexplicável, mas também existiam momentos em que ele era agradecido por ter esse dom ou talento ou o que quer que seja. Esse era um desses momentos.

Sem falar nada tocou nos ombros de seus tios e primos, um por um, dando um sorriso para cada alma familiar e próxima. Pouco a pouco elas foram sumindo como fumaça e pouco a pouco ele chorava mais intensamente.

– Filho?

Escutar aquela voz definitivamente o quebrou internamente. A alma da sua mãe era a mais brilhante de todas elas e ele não sabia como lidar quando ela percebeu que ele os podia ver. O espírito dela sorriu tristemente e se aproximou dele, seus olhos diziam que estava tudo bem e que ela estava feliz por ele estar vivo.

Eric soluçou e se deixou aproveitar aqueles últimos momentos antes de levar sua mão até a mão pequena e gordinha de sua mãe.

Ian podia sentir a dor dele ao escutar cada soluço que dava.

Alguns minutos depois os dois voltaram para a moto em silêncio. Ian não perguntou nada e Eric não estava em condições de responder nada. Antes de subirem na moto, Ian segurou a mão de Eric e os olhos dos dois se encontraram.

Estavam juntos nessa.